Mercado fechará em 1 h 4 min
  • BOVESPA

    117.222,24
    +758,18 (+0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.234,62
    -818,94 (-1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,17
    +0,56 (+1,06%)
     
  • OURO

    1.844,40
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    30.342,40
    -1.609,08 (-5,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    609,79
    -30,13 (-4,71%)
     
  • S&P500

    3.798,15
    -51,47 (-1,34%)
     
  • DOW JONES

    30.637,38
    -299,66 (-0,97%)
     
  • FTSE

    6.567,37
    -86,64 (-1,30%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.307,75
    -177,75 (-1,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5209
    +0,0101 (+0,16%)
     

Poupança tem entrada líquida recorde de R$84,4 bilhões no 1º sem

·2 minuto de leitura
.

BRASÍLIA (Reuters) - A tradicional caderneta de poupança fechou o primeiro semestre com captação líquida de 84,435 bilhões de reais, um recorde histórico para o período, após os ingressos em junho terem somado 20,534 bilhões de reais.

O resultado em junho também foi o maior para o período da série histórica iniciada em 1995, conforme dados divulgados pelo Banco Central nesta segunda-feira.

No mês, os depósitos superaram os saques em 14,435 bilhões de reais no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), enquanto na poupança rural houve entrada de 6,099 bilhões de reais.

A poupança tem registrado fortes captações em meio à bilionária liberação de recursos pelo governo no âmbito do auxílio emergencial. Até o momento, já foram pagos 121,79 bilhões de reais nessa frente, conforme painel de monitoramento do Tesouro.

A nova realidade de juros básicos no país também tem dado alguma competitividade à poupança, que é isenta de Imposto de Renda, na comparação com alternativas tradicionais da renda fixa que são referenciadas na Selic, mas pagam impostos.

Isso tem ocorrido a despeito do baixo rendimento da poupança. Por lei, toda vez que a Selic for igual ou inferior a 8,5%, a remuneração da poupança passa a ser de 70% da Selic acrescida da Taxa Referencial (TR), que atualmente está zerada.

Com a taxa básica de juros em 2,25% ao ano, a remuneração da poupança fica em 1,575% em 12 meses.

Na semana passada, o diretor de Política Econômica do BC, Fabio Kanczuk, afirmou que a preocupação da autoridade monetária quanto ao limite para os juros básicos estava hoje mais ligada à indústria de fundos e realocação grande para a poupança, o que poderia gerar outras ineficiências econômicas.

Em maio, ele havia dito que a preocupação com o limite para os juros era mais associada ao que poderia acontecer com o câmbio, num momento em que o dólar rodava em nível mais alto sobre o real.

(Por Marcela Ayres e Gabriel Ponte)