Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.816,90
    -18,90 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    41.565,78
    +0,77 (+0,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Poupança alta, Bolsa Família e isenção do IR vão bombar consumo para as eleições, diz Stuhlberger

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente e gestor da Verde Asset Management, Luis Stuhlberger, afirmou que o atual cenário econômico deve favorecer o consumo ao longo de 2022 -o que deve ser benéfico para o governo Bolsonaro no ano eleitoral- mas terá impactos negativos no longo prazo.

"A poupança alta, mais a possibilidade de um Bolsa Família turbinado e a pretensão de aumentar a faixa de isenção do Imposto de Renda, de R$ 1.900 para R$ 2.500, vão bombar o consumo para as eleições", afirmou o gestor em evento promovido pela Verde nesta quinta-feira (1º).

"É um cenário que favorece a economia brasileira, que vai fazer [a população] esquecer da pandemia e ter uma boa lembrança do presidente", completou.

Segundo Stuhlberger, no entanto, caso o Congresso aprove uma reforma tributária que não seja neutra e que traga aumento no imposto pago pelas empresas, a tendência é que o investimento diminua no país.

"Diminuir o investimento para favorecer o consumo é ruim. Vai dar alegria no ano que vem, mas no longo prazo, não será bom", disse.

O gestor também fez críticas à proposta da segunda parte da reforma tributária, entregue por Paulo Guedes (Economia) no final de junho. Para Stuhlberger o texto complica o sistema, é eleitoreiro e aumenta a carga tributária.

"Me admira muito o Guedes ter mandado um negócio desses. A verdade é que é um aumento boçal de carga tributária", afirmou o gestor.

Stuhlberger afirmou que imposto sobre dividendos aumenta a carga dentro das companhias, que incorporadoras e construtoras serão muito afetadas e chamou de inadministrável a bitributação de fundos de investimentos.

"Pagar quando se tem o dividendo e, depois, o investidor tem que se compensar. Vai ficar um negócio maluco, eu não sei como se administra isso", disse.

Dentre os méritos da reforma tributária, o gestor citou o combate à pejotização e a diminuição do imposto de renda.

"Tirando todos os exageros, ela [a reforma tributária] tem méritos. Mas de todas as coisas que estão aí, muita coisa vai mudar. Não vai passar no Congresso dessa forma, vai ter uma lógica melhor do que o que a gente tem hoje", afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos