Mercado fechará em 19 mins
  • BOVESPA

    106.130,83
    -2.658,50 (-2,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.249,09
    -1.214,94 (-2,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,78
    -3,62 (-3,22%)
     
  • OURO

    1.816,50
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    29.295,55
    -951,62 (-3,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    654,34
    -16,34 (-2,44%)
     
  • S&P500

    3.927,85
    -161,00 (-3,94%)
     
  • DOW JONES

    31.492,01
    -1.162,58 (-3,56%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.913,25
    -647,00 (-5,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2161
    +0,0057 (+0,11%)
     

Postos terão que mostrar preço da gasolina com duas casas decimais

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* RIBEIRAO PRETO, SP, BRASIL, ALTA DO ETANOL -2014, Bomba marca o preço praticado pelo Etanol em posto de combustível na avenida Independência, zona sul de Ribeirão Preto. Problemas na lavoura pressionam a alta no preço do etanol para os consumidores. O aumento foi sentido tanto nos preços do combustível na saída da usina quanto nos postos. (Foto: Fabio Melo/ Folhapress)
*ARQUIVO* RIBEIRAO PRETO, SP, BRASIL, ALTA DO ETANOL -2014, Bomba marca o preço praticado pelo Etanol em posto de combustível na avenida Independência, zona sul de Ribeirão Preto. Problemas na lavoura pressionam a alta no preço do etanol para os consumidores. O aumento foi sentido tanto nos preços do combustível na saída da usina quanto nos postos. (Foto: Fabio Melo/ Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A partir do próximo sábado (7), todos os postos de gasolina do país terão que exibir os preços com apenas duas casas decimais, não mais com três, como ocorre hoje. A mudança foi definida pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) em novembro para facilitar o entendimento do consumidor.

A portaria que implantou a mudança deu prazo de 180 dias para a adaptação dos postos. A ANP diz que a medida não tem impacto no preço final dos produtos, pois não traz custos relevantes ao revendedor nem restrições aos preços praticados.

Para o Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), porém, a medida é prejudicial para o motorista, pois pode levar ao arredondamento dos preços para cima.

A exibição dos preços com apenas duas casas decimais deve ser feita tanto nos painéis de preços dos postos quanto nos visores das bombas.

A ANP autorizou os postos a travar a última casa decimal nas bombas, para evitar a necessidade de troca dos equipamentos. Nesse caso, o terceiro dígito deve exibir o número zero e não deve girar quando o carro estiver sendo abastecido.

A autorização responde a pedido dos próprios donos de postos, que estavam preocupados com o custo da alteração das bombas, segundo o presidente da Fecombustíveis (Federação do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes), Paulo Miranda.

"O objetivo da mudança é deixar o preço do combustível mais preciso e claro para o consumidor, além de estar alinhado com a expressão numérica da moeda brasileira", afirmou a ANP, em nota divulgada nesta segunda-feira (2).

O advogado da área de Relacionamentos do Idec, David Guedes, diz que o consumidor já está acostumado com o modelo atual e vê potencial de prejuízos. "A supressão da última casa decimal inviabiliza a verificação, pelo consumidor, sobre o quanto realmente deverá pagar na compra", afirma.

"Sem a última casa decimal, o preço da bomba poderá ser arredondado de forma incorreta (para mais) e a longo prazo, isso, obviamente, poderá gerar lucros indevidos aos postos e prejuízo ao usuário", completa Guedes.

A portaria editada pela ANP em novembro trouxe ainda outras mudanças no mercado de combustíveis, como a autorização para o delivery de gasolina e etanol e a venda direta de etanol das usinas para os postos.

As medidas foram apoiadas pelo governo alegando que poderiam ajudar a conter a escalada de preços, mas criticadas pelo setor de combustíveis, alegando riscos à segurança do consumidor, no primeiro caso, e de fraudes tributárias, no segundo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos