Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    +2,66 (+3,18%)
     
  • OURO

    1.734,30
    +32,30 (+1,90%)
     
  • BTC-USD

    20.351,83
    +772,83 (+3,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    460,91
    +15,47 (+3,47%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.643,50
    +357,75 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1720
    +0,0981 (+1,93%)
     

Portugal seguirá aliviando dor da inflação, mas há limites, diz ministro

Pessoas esperam em fila de centro de emprego, em Sintra, Portugal

Por Sergio Goncalves

LISBOA (Reuters) - O governo de Portugal continuará a apoiar famílias e empresas atingidas pela inflação galopante, mas não a qualquer custo, pois as finanças públicas devem permanecer em bases sólidas, disse o ministro das Finanças nesta quarta-feira.

Fernando Medina afirmou a uma comissão parlamentar que o cenário externo está se tornando "mais difícil", citando o aumento da taxa de juros na semana passada pelo Banco Central Europeu (BCE), que também reduziu a previsão de crescimento da zona do euro no próximo ano para 0,9%, de 2,1%.

Portugal, onde a inflação anual atingiu 9% em agosto, lançou na semana passada ajuda adicional para famílias no valor de 2,4 bilhões de euros, elevando o valor total desse auxílio para 4 bilhões de euros, algo que Medina chamou de enorme esforço orçamentário.

"Vamos até onde podemos. Mas sejamos claros: dada a escala do choque, não há governo no mundo capaz de acabar com esses aumentos de preços", disse.

"Temos de responder às necessidades do presente, mas não comprometer a nossa capacidade de agir no futuro, caso evolua de forma mais adversa", afirmou, reafirmando a meta de déficit orçamentário deste ano de 1,9%, após um de 2,8% em 2021, e uma queda na relação dívida/PIB para 120%, de 127,4%.