Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.282,64
    -136,89 (-0,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.697,51
    -509,08 (-0,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,21
    -2,44 (-2,88%)
     
  • OURO

    1.797,80
    +4,40 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    58.426,02
    -3.676,96 (-5,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.402,46
    -71,87 (-4,87%)
     
  • S&P500

    4.563,34
    -11,45 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    35.562,33
    -194,55 (-0,54%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.640,75
    +95,75 (+0,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4580
    +0,0039 (+0,06%)
     

Porto saturado leva navios com mercadoria para o Natal a desviar do Reino Unido

·1 minuto de leitura
(Arquivo) Porta-contêineres chega ao Porto de Felixstowe (AFP/BEN STANSALL)

Vários porta-contêineres repletos de mercadoria para o Natal foram redirecionados para outros portos europeus por não conseguirem descarregar em um porto britânico devido aos congestionamentos causados pela pandemia e pelo Brexit.

"A fim de garantir que a mercadoria esteja amplamente disponível no Reino Unido na Black Friday e no Natal, começamos a redirecionar semanalmente um a cada três de nossos grandes navios que fazem escala em Felixstow", informou nesta terça-feira à AFP um porta-voz da Maersk, maior sociedade de transporte de contêineres do mundo.

A saturação das docas de descarga está ligada, segundo ele, à falta de caminhoneiros no país devido ao Brexit e à pandemia, o que provoca sérios problemas de abastecimento em supermercados e postos de gasolina. Para contornar essa situação, alguns navios descarregam sua mercadoria em portos europeus como os de Roterdã e Antuérpia, de onde a transportam em embarcações menores para Felixstowe, explicou.

O porta-voz do grupo informou que o congestionamento portuário é generalizado no mundo, mas que esse porto britânico, por onde passa 36% do volume de frete marítimo no Reino Unido, "está entre os três ou quatro portos mais afetados". O motivo, segundo ele, é que "os contêineres vazios não são retirados na velocidade normal, por falta de caminhoneiros".

A falta de 100.000 motoristas e o medo de um desabastecimento generalizado no Natal levaram o governo britânico a revisar sua política migratória e conceder 10.500 vistos de trabalho provisórios.

cdu/bt/dbh/ag/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos