Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    60.977,64
    -1.634,28 (-2,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Porto de Los Angeles funcionará 24h para reduzir atrasos

·2 minuto de leitura
Contêineres no Porto de Los Angeles (AFP/Robyn Beck)

O Porto de Los Angeles irá funcionar 24 horas por dia para reduzir os atrasos que agravaram os problemas na cadeia de abastecimento global, informaram autoridades americanas nesta quarta-feira (13).

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou o compromisso durante reunião com representantes do grande porto da costa oeste e do sindicato de estivadores. O governo anunciou também que obteve compromissos de empresas como Walmart, FedEx e UPS para avançar a um serviço 24 horas em algumas operações, segundo as autoridades.

"Os compromissos assumidos hoje são um sinal de grande progresso. Precisamos agora de que o restante da cadeia do setor privado se intensifique", declarou Biden.

Apesar do custo maior em termos de pagamento de horas extras, há benefícios para as empresas que oferecem serviços 24 horas. Os caminhoneiros que trabalham à noite, por exemplo, enfrentarão menos trânsito, destacou um funcionário do governo.

Os anúncios coincidem com a proliferação de problemas na cadeia de abastecimento e logística que afetam a recuperação econômica mundial, após os fechamentos de fronteiras pela pandemia da covid-19.

Na terça-feira (12), o Fundo Monetário Internacional (FMI) advertiu que interrupções na cadeia de abastecimento provocam aumento de preços. Em um cenário de recuperação econômica cada vez mais desigual, a instituição reduziu suas previsões de crescimento.

A secretária do Tesouro americano, Janet Yellen, pediu que não se crie pânico devido aos aumentos de preços e à escassez de alguns bens, e garantiu que essa situação não irá perdurar. No entanto, houve poucos sinais de alívio nos dados do índice de preços ao consumidor do Departamento do Trabalho divulgados hoje, que mostraram um aumento da inflação de 5,4% em setembro em relação ao mesmo mês do ano passado.

Vários fatores contribuem para a escassez de matérias-primas e de produtos acabados que afligem os comerciantes. Entre eles, estão o fechamento de fábricas em países que impuseram quarentenas pela covid-19, o aumento na demanda de alguns produtos e a falta de mão de obra.

Os atrasos nos portos americanos contribuíram para o problema. Os portos vizinhos de Los Angeles e Long Beach chegaram a ter 60, ou mais, navios esperando para ancorar. Ambos os portos são fundamentais para a entrada de produtos asiáticos.

Funcionários do governo disseram que entendem que quase toda a cadeia de abastecimento é controlada pelo setor privado. "Se esse setor não der um passo à frente, iremos chamá-los e pedir que atuem", indicou Biden. "Precisamos ter uma visão mais ampla e investir na construção de uma resiliência maior para suportar o tipo de crise que temos visto repetidamente."

jmb/bfm/mas/zm/tt/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos