Mercado abrirá em 5 h 5 min
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,96 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,60 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,79
    +0,17 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.837,70
    +7,40 (+0,40%)
     
  • BTC-USD

    21.321,87
    -62,81 (-0,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    465,37
    +11,47 (+2,53%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,28 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.266,94
    +58,13 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    22.275,88
    +556,82 (+2,56%)
     
  • NIKKEI

    26.871,27
    +379,30 (+1,43%)
     
  • NASDAQ

    12.228,25
    +87,75 (+0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5367
    -0,0157 (-0,28%)
     

Portas se abrem para alta de 0,75 p.p. dos juros pelo Fed após dados de inflação e movimentos dos mercados

Chair do Fed, Jerome Powell

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - Os dados da inflação e as rápidas mudanças de visão nos mercados financeiros na segunda-feira abriram as portas para um aumento da taxa de juros de 0,75 ponto percentual, maior do que o esperado antes, quando as autoridades do Federal Reserve se reunirem a partir desta terça.

É um movimento que as autoridades haviam minimizado nas últimas semanas conforme se aproximava a reunião de dois dias, mas que agora eles podem estar prontos para adotar em resposta aos dados que ainda não mostraram progresso em conter o ritmo dos aumentos de preços.

A possibilidade crescente de um movimento surpresa foi relatada na segunda-feira pelo Wall Street Journal, ajudando a impulsionar ainda mais as negociações em contratos futuros vinculados à política do Fed nessa direção.

As autoridades do Fed não falaram publicamente desde o início de seu período de silêncio em 4 de junho, e antes disso disseram que estavam se inclinando para um segundo aumento de 0,5 ponto no encontro de 14 e 15 de junho.

Mas essa perspectiva era condicionada, como disse o chair do Fed, Jerome Powell, em sua coletiva de imprensa de maio, "à evolução das condições econômicas e financeiras de acordo com as expectativas. ... As expectativas são de que começaremos a ver a inflação, sabe, a se estabilizar."

Isso não aconteceu.

Em vez disso, dados do Departamento do Trabalho divulgados na sexta-feira mostraram uma aceleração da inflação dos preços ao consumidor em maio para 8,6% na base anual. Uma medida alternativa do Fed de Cleveland que o banco central norte-americano acompanha também acelerou, um sinal de que as pressões de preços são amplas e não limitadas a grupos de bens ou serviços com aumentos de preços particularmente grandes.

Enquanto isso, na sexta e segunda-feiras, uma série de medidas de expectativas de inflação se deslocou na direção errada para um Fed que disse ser particularmente sensível a perder o controle da psicologia pública em torno das pressões de preços.

Os mercados ao longo de toda a segunda-feira rapidamente fizeram ajustes, com operadores em contratos vinculados à taxa de juros apostando com quase certeza em um aumento de 0,75 ponto, o que seria a primeira alta dessa magnitude desde novembro de 1994.

A decisão será anunciada após o encerramento da reunião na quarta-feira, depois do que provavelmente será um debate completo sobre os riscos de que aumentos mais rápidos dos juros possam levar a economia a uma recessão, e os riscos que podem representar para a própria credibilidade do Fed, depois de se concentrar fortemente em aumentos de 0,5 ponto como adequados por enquanto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos