Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.197,75
    -96,88 (-0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Porsche será cotada na bolsa antes do fim do ano, segundo a Volkswagen

O segundo grupo automobilístico mundial, Volkswagen, deu luz verde nesta segunda-feira (5) à entrada na bolsa de sua filial, Porsche, apesar da situação tensa nos mercados de valores.

A Volkswagen "decidiu hoje, com a aprovação do Conselho de Supervisão", cotar as ações de sua filial Porsche AG "sob reserva da evolução do mercado de capitais"; a entrada na bolsa é esperada "para o fim do ano", segundo um comunicado dos dois órgãos decisórios do grupo alemão.

A fabricante alemã havia apresentado seu projeto no inverno boreal passado, concretamente em 24 de fevereiro, coincidindo com o primeiro dia da invasão russa da Ucrânia.

As consequências econômicas da ofensiva, sobretudo nos mercados acionários, tinham posto em dúvida o calendário de entrada na bolsa da marca de veículos esportivos de luxo.

A empresa, cuja sede fica em Zuffenhausen, perto de Stuttgart (sudoeste), está avaliada entre 60 e 85 bilhões de euros ou dólares, segundo a Bloomberg.

A Porsche é atualmente 100% de propriedade do grupo Volkswagen que, por sua vez, é controlada pela holding financeira Porsche SE, através do qual a família Porsche-Piëch possui a maioria absoluta dos direitos de voto (cerca de 54%).

O capital da Porsche foi dividido em dois. Por um lado, haverá 50% de ações preferenciais, sem direito a voto, e por outro, 50% de ações ordinárias, com direito a voto.

Nas próximas semanas será oferecida aos investidores no mercado a possibilidade de assinar, "até 25%" das ações preferenciais a um preço ainda indeterminado.

Ao mesmo tempo, a Volkswagen aprovou a venda de "25% mais uma ação" das ações "ordinárias" da Porsche AG à holding Porsche SE.

Desta forma, a Porsche-Piëch poderá manter uma minoria de bloqueio e poderá aumentar gradativamente seu controle da empresa familiar.

Ao ceder parte de seu controle sobre a Porsche, a Volkswagen poderá obter os bilhões necessários para financiar seus investimentos em veículos elétricos, conectados e autônomos.

jpl/cls/sag/yow/mr/mvv/am