Mercado fechado

Por US$ 650 mil, um Porsche para dirigir sobre rochas e areia

Hannah Elliott

(Bloomberg) -- Você pode não perceber, mas muitas pessoas querem um Porsche que possa dirigir fora das estradas.

Em novembro, um fabricante chamado TJ Russell revelou um Porsche 911 branco brilhante na feira da Specialty Equipment Market Association (SEMA), em Las Vegas. O carro, chamado de Baja 911, tinha para-lamas largos e brilhantes; pneus enormes e pesados; uma gaiola de proteção; e nove (!) faróis.

Parecia o tipo de carro do deserto que Steve McQueen teria sonhado, como o que a Porsche teria fabricado se tivesse continuado seus projetos de rally nos últimos anos, quando percorreu quase 10 mil quilômetros de Paris a Dakar em um carro lendário chamado 953.

Durante a estreia na SEMA, por horas o Baja 911 foi cercado pela imprensa automotiva internacional, especialistas da indústria, montadoras famosas e fanáticos tirando fotos, fazendo vídeos e geralmente babando pela obra executada por Russell, sozinho, no período de mais de um ano. Desde então, o carro apareceu em dezenas de fotos glamorosas coberto de poeira, com o sol iluminando sua postura agressiva enquanto dançava sobre rochas e areia. O veículo está estampado em todos os blogs de carros e feeds do Instagram e em vídeos e revistas especializadas do YouTube.

Mas o Baja 911 é mais do que bonito. Possui mais de 30 centímetros de distância do solo, um sistema exclusivo de suspensão para choques suaves, um chassi reforçado e um motor de 365 cavalos e 3,8 litros emparelhado com uma transmissão de cinco velocidades especializada projetada para oferecer desempenho para milhares de quilômetros, dia após dia, no calor de mais de 37 graus Celsius.

O veículo foi pulverizado com uma camada de amortecimento acústico e revestimento cerâmico para isolar a cabine do ruído e do calor; as superfícies metálicas internas são soldadas e vedadas a partir do tanque de combustível dianteiro e do compartimento do motor traseiro, a fim de evitar colisões e danos causados ​​pela água; e os assentos de carbono na traseira embutem uma caixa de armazenamento com trava para peças de reposição e ferramentas.

O carro inteiro pesa apenas 1.300 quilos - 180 kg a menos do que um 911 recém-fabricado da fábrica da Porsche. É uma pluma adequada para navegar nas areias, pedras e calor da Baja Península do México, que inspirou o nome do veículo.

Por US$ 650 mil, o Baja 911 representa o 1% no topo de um grupo maior de carros conhecido como “Baja”, “safari” ou “rally”, assim chamados para evocar o tipo de direção. Foram projetados para competir em provas fora das estradas glamorosas e ousadas, como o East African Safari Classic Rally, a Carrera Panamerica, no México, o Peking to Paris Motor Challenge ou o Rally Caminos del Inca, no Peru. Na forma mais simples, os termos - usados ​​de forma intercambiável - se referem a qualquer veículo modificado para ser dirigido fora de estradas pavimentadas.

Para entrar em contato com o repórter: Hannah Elliott em NY, helliott8@bloomberg.net

Para entrar em contato com os editores responsáveis: josh duboff, crovzar@bloomberg.net;Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.