Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.025,67
    +83,00 (+0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Por que topar o dedinho do pé dói tanto?

Uma das dores cotidianas que mais parece desproporcional ao tamanho — tanto do membro afetado quanto em magnitude do evento — é, certamente, aquela batida do dedinho do pé em alguma quina bem posicionada pela casa. Mesmo que seja por pouco tempo, a dor causada é bem grande: por que, afinal, dói tanto topar o mindinho por aí?

A resposta é relacionada à quantidade e tipo de fibras nervosas presentes nos pés, além da força com a qual chutamos os móveis sem querer. De maneira geral, a sensação de dor vem de células nervosas conhecidas como nociceptores, cujas fibras se ligam aos músculos, órgãos internos e pele, responsáveis pela resposta aos sinais liberados pelas células danificadas.

Tão pequeno, mas que causa tanta dor: por que o mindinho do pé é tão sensível? (Imagem: Klara Kulikova/Unsplash)
Tão pequeno, mas que causa tanta dor: por que o mindinho do pé é tão sensível? (Imagem: Klara Kulikova/Unsplash)

Cérebro, nervos e dores

Cada tipo de nociceptor gera uma resposta para as várias categorias de dano possíveis: ao entrar em contato com fogo, os nociceptores termais são ativados, e quando o dedinho é atingido por uma quina, os responsáveis são os receptores mecânicos. Eles são sensíveis à pressão, a machucados e cortes, por exemplo.

Os nociceptores mecânicos mandam suas mensagem das terminações nervosas livres do mindinho até os aglomerados densos de fibras nervosas que se ligam à medula espinhal. Daí, o sinal vai até o cérebro e passa pela central de informações que chamamos de tálamo. Por fim, a informação chega ao córtex cerebral, a parte rugosa do órgão. Nessa região, são processados os sinais de toque, temperatura e dor — é uma fita curva na cabeça, como uma bandana, onde cada seção lida com partes diferentes do corpo.

A região que lida com pés e seus dedos fica no centro do córtex, onde as metades (hemisférios) do cérebro se conectam, e seu tamanho reflete a quantidade de receptores nos pés. O rosto, mãos e boca tomam a maior quantidade de espaço na curva sensorial do cérebro, e mesmo que não tomem tanta área, os pés ainda são superiores, nesse quesito, em relação ao tronco e membros, bem menos sensíveis.

A quantidade, tipo de nervo, força da topada e gordura na região ajudam a intensificar a dor (Imagem: Colin Behrens/Pixabay)
A quantidade, tipo de nervo, força da topada e gordura na região ajudam a intensificar a dor (Imagem: Colin Behrens/Pixabay)

Vale notar que nem todos os sinais de dor chegam ao cérebro ao mesmo tempo: o primeiro choque é gerado pelas fibras nervosas Aδ (A Delta), que são acomodadas por gordura e conseguem enviar sinais com grande eficiência. A dor pulsante e lenta que chega depois é levada pelas fibras C, cuja eficiência é menor, já que suas terminações cobrem uma área maior, cuidando das sensações de diversos dedos ao invés da ponta de apenas um só deles. Essa dor pode piorar caso o incidente gere uma inflamação.

Nos dedos, em especial, os nociceptores podem ser mais sensitivos ao trauma físico — como as topadas — por ter menos gordura, responsável por amortecer golpes contra o corpo. Quando os dedinhos são atingidos, as fibras nervosas vulneráveis são mais afetadas, e, como a jogada de pé feita ao caminhar pode chegar a uma velocidade considerável, a força gerada equivale a 2 ou 3 vezes o peso do nosso corpo todo, sendo concentrada em uma superfície bem pequena.

Apesar de intensa, a dor costuma sumir em alguns minutos ou algumas horas, em casos mais sérios. Em poucas situações, o evento pode acabar causando danos mais sérios no tecido, gerando uma torção ou até mesmo quebrando ossos e deslocando juntas. No caso da dor não ceder após alguns dias e doer mais cada vez que você tenta caminhar ou mover o dedo, pode ser a hora de procurar ajuda médica.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: