Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    34.980,86
    -488,17 (-1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Por que tomamos a vacina contra COVID-19 no braço?

·2 minuto de leitura

Com o passar do tempo, cada vez mais pessoas estão sendo vacinadas contra a COVID-19. Mas você já reparou que todas as pessoas vacinadas têm algo em comum? A dose é administrada na mesma região: o braço. Isso não é por acaso, e especialistas explicam o porquê dessa parte do corpo ser a escolhida.

A maioria das vacinas é administrada no músculo. É o que chamamos de injeção intramuscular. Mas algumas também podem ser administradas abaixo da pele. Trata-se da injeção subcutânea. É o caso da vacina contra sarampo, caxumba e rubéola, por exemplo.

Mas por que o músculo é tão importante? Segundo Libby Richards, professor de Enfermagem da Universidade de Purdue (EUA), o tecido muscular contém células imunológicas importantes. Essas células imunes reconhecem o antígeno, um minúsculo fragmento de um vírus ou bactéria introduzido pela vacina que estimula uma resposta imune.

As células imunológicas do tecido muscular captam esses antígenos e os apresentam aos gânglios linfáticos (pequenas glândulas pertencentes ao sistema linfático, que estão espalhados pelo corpo e que são responsáveis por filtrar a linfa, recolhendo vírus, bactérias e outros organismos que podem provocar doenças). Assim, a injeção no tecido muscular mantém a vacina localizada, permitindo que as células imunológicas soem o alarme para outras células imunológicas e comecem a agir.

(imagem: microgen/Envato)
(imagem: microgen/Envato)

O professor ressalta que, uma vez que a vacina é reconhecida pelas células imunes no músculo, essas células carregam o antígeno para os vasos linfáticos, que transportam as células imunes que transportam o antígeno para os nódulos linfáticos. Os gânglios linfáticos contêm mais células imunológicas que reconhecem os antígenos nas vacinas e iniciam o processo imunológico de criação de anticorpos.

O tecido muscular também tende a manter as reações da vacina localizadas. Ainda outro fator decisivo no local de administração da vacina, segundo o professor, é o tamanho do músculo. As crianças mais novas recebem as vacinas no meio da coxa porque os músculos dos braços são menores e menos desenvolvidos, por exemplo.

Outra consideração durante a administração da vacina é a conveniência e a aceitabilidade do paciente. Convenhamos: abaixar a calça é muito mais complicado que arregaçar as mangas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: