Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    55.026,37
    +715,65 (+1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Por que as salamandras têm um poder incrível de regeneração?

·1 min de leitura

Já vimos que alguns animais têm superpoderes dignos de heróis dos quadrinhos, e um deles é a salamandra, que tem uma capacidade surpreendente de regeneração. Segundo uma nova pesquisa da Universidade de Stanford (EUA), essa habilidade tem relação com o tamanho do animal.

O estudo de Stanford visa entender por que as cicatrizes se formam e como podem ser evitadas. Os cientistas perceberam que isso é influenciado pelo tamanho e as forças físicas das células. Quando os animais ficam grandes, as forças em seus ossos e entre as células são muito maiores. As células e os tecidos se adaptam às mudanças no tamanho do corpo.

Mas em alguns animais pequenos, como as salamandras, não há uma ligação forte entre as células para ajudá-las nessa adaptação. Sem essas ligações fortes, os tecidos de animais de médio a grande porte nunca se manteriam estáveis no esqueleto.

(Imagem: CreativeNature_nl/envato)
(Imagem: CreativeNature_nl/envato)

“Todos os animais capazes de regeneração têm ossos muito pequenos e seus tecidos são quase gelatinosos", afirmam os pesquisadores. Para investigar isso, os pesquisadores bloquearam uma molécula chamada cinase de adesão focal, e observaram como ela afetava o processo de cicatrização do tecido de animais maiores, como porcos.

“O simples bloqueio desse componente permitiu que as queimaduras que normalmente resultam em cicatrizes se curassem, assim como faria uma salamandra”, conclui o estudo, que pode ser lido na Revista Nature.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos