Mercado fechará em 2 h 29 min
  • BOVESPA

    116.984,36
    +754,24 (+0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.737,34
    -309,24 (-0,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,19
    +1,67 (+1,93%)
     
  • OURO

    1.720,30
    -10,20 (-0,59%)
     
  • BTC-USD

    20.250,69
    +302,11 (+1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,81
    +0,40 (+0,09%)
     
  • S&P500

    3.779,34
    -11,59 (-0,31%)
     
  • DOW JONES

    30.274,93
    -41,39 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.615,75
    -25,00 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1308
    -0,0371 (-0,72%)
     

Por que a rainha Elizabeth II será enterrada em um caixão de chumbo?

Na última quinta-feira (8), a monarca do Reino Unido, Elizabeth II, faleceu. Com sua morte, uma série de protocolos e tradições se seguem, inclusive algumas atitudes inusitadas, como avisar as abelhas da passagem da rainha. Uma das curiosidades é o caixão: preparado há 30 anos, ele é coberto de chumbo, algo tradicional à família real — a Princesa Diana e o Príncipe Philip também foram sepultados assim.

A tradição dos sarcófagos super protegidos tem centenas de anos. O motivo? Preservação dos cadáveres. À época em que a prática começou, métodos de preservação como o que utiliza formaldeído (formol) ainda não eram conhecidos — a utilidade preservativa da substância, por exemplo, só foi descoberta em 1869. Corpos de reis e de camponeses, como sabemos, se decompõem sem distinção.

Corpo da Rainha Elizabeth II, como os dos familiares que faleceram antes dela, será sepultado em caixão de chumbo (Imagem: Ibagli/Domínio Público)
Corpo da Rainha Elizabeth II, como os dos familiares que faleceram antes dela, será sepultado em caixão de chumbo (Imagem: Ibagli/Domínio Público)

Preservação dos corpos da realeza

Um dos exemplos mais gráficos da, digamos, necessidade real de preservação dos corpos é o de Guilherme, o Conquistador, Duque da Normandia que invadiu a Inglaterra e se tornou o primeiro rei normando do país, em 1066. No final de sua vida, o monarca se permitiu render aos prazeres da gula, e tinha um peso considerável. Um dia, em combate, seu cavalo empinou, e a distribuição ruim do peso fez com que a sela perfurasse seu intestino.

Com a medicina precária da época, os médicos não puderam realizar a operação que salvaria a vida do rei também devido à sua obesidade. Guilherme I não tinha relações muito boas com nenhum súdito, até mesmo seu filho, contra quem, aliás, estava travando a guerra. Ninguém se dispôs a realizar o seu funeral — e seu corpo ficou esperando, já em decomposição, sobre uma mesa de pedra.

Um cavaleiro, de passagem por Rouen, onde o corpo do monarca estava, resolveu levar a tarefa do funeral a cabo. O transporte teria de ser feito até Caen, para o enterro, que ficava a 112 quilômetros e cuja viagem era feita de barco, pelo rio Sena. O corpo, a essa altura, pouco fazia além de acumular gases da decomposição. Os intestinos já se espalhavam pelas cavidades corporais.

Guilherme, o Conquistador, no centro da imagem, da Tapeçaria de Bayeux: no final da vida, o monarca estava obeso, e morreu em 1087 (Imagem: Lucien Musset/Domínio Público)
Guilherme, o Conquistador, no centro da imagem, da Tapeçaria de Bayeux: no final da vida, o monarca estava obeso, e morreu em 1087 (Imagem: Lucien Musset/Domínio Público)

A chegada à cidade foi acompanhada por uma série de infortúnios, que incluíram um incêndio local. O fogo aumentou o calor, que também ajudou os gases de Guilherme a se expandirem. Quando o corpo do antigo rei estava pronto para ser enterrado, já se havia passado algumas semanas de sua morte, e seu tamanho não foi levado em conta: ele não cabia na cova.

Os coveiros, apressados, tentaram apertar o corpo para fazê-lo entrar em sua sepultura. Já em sua expansão máxima, o corpo não aguentou e acabou explodindo, espirrando vísceras sobre todos os presentes e espalhando um odor pútrido insuportável pelo local, segundo o relato do monge beneditino Orderico Vital.

E os caixões de chumbo?

Séculos depois, caixões de chumbo evitam eventos como esse ao desacelerar a decomposição do corpo: o material mantém a umidade longe do interior, já que o material não decai (ou seja, não se decompõe), permanecendo hermético. Gases e cheiros também se mantém presos no caixão, não escapando para o exterior. Quando o corpo fica acima do solo e pode ser transportado no futuro, essa característica é de grande utilidade.

Caixões desse tipo foram caros demais para plebeus europeus por séculos, o que também caracteriza um "luxo" aproveitado pela realeza britânica. Atualmente, todo corpo sepultado acima do solo no Reino Unido requer, por lei, um caixão de chumbo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: