Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.960,32
    -94,33 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Por que as pessoas enxergam cores diferentes?

Muitos fatores influenciam como as pessoas percebem e falam sobre cores, desde a biologia de nossos olhos até como nossos cérebros processam essas informações. Segundo os especialistas, a maioria das pessoas tem três tipos de cones, ou seja, receptores de luz responsáveis por detectar diferentes comprimentos de onda.

A neurocientista visual Jenny Bosten, da Universidade de Sussex, na Inglaterra, escreveu sobre o assunto na 2022 Annual Review of Vision Science, e de acordo com eu trabalho, às vezes, uma variação genética pode fazer com que um tipo de cone seja diferente ou completamente ausente, levando a uma visão de cores alterada.

Conforme explica a neurocientista, cada um desses cones tem uma opsina fotossensível, que é a molécula que muda de forma quando a luz é recebida e que determina a sensibilidade da célula ao comprimento de onda. Os genes que codificam cada opsina podem ter diferentes traços de DNA, o que gera diferentes combinações, influenciando diretamente na diferença que uma pessoa vê as cores, em comparação com outra.

Neurocientista revela por que as pessoas enxergam cores diferentes (Imagem: Sharon McCutcheon/Unsplash)
Neurocientista revela por que as pessoas enxergam cores diferentes (Imagem: Sharon McCutcheon/Unsplash)

Segundo a autora, o sexo pode desempenhar um papel na forma como percebemos as cores, assim como a idade e até fatores como a cor da íris de uma pessoa.

A pesquisadora ainda sugere que restrições biológicas podem influenciar na maneira como as pessoas aprendem a categorizar as cores, mas nem toda cultura tem o mesmo número de categorias. "As categorias de cores são culturais, e as culturas experimentam uma espécie de evolução em termos de cores. Uma linguagem pode inicialmente fazer apenas duas ou três distinções entre cores, e então essas categorias se tornam mais complexas ao longo do tempo", indica durante entrevista à Knowable Magazine.

No entanto, a forma como pessoas enxergam cores diferentes ainda é um assunto quente na comunidade científica. Um estudo indica que a separação entre o que é azul e o que é verde pode depender, em parte, da proximidade de uma cultura com a água, por exemplo. Pesquisas sugerem também um efeito sazonal na percepção do amarelo, que é bastante cinza e sombrio no inverno e agradável e verde no verão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: