Mercado abrirá em 9 h 47 min
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,95
    -0,18 (-0,29%)
     
  • OURO

    1.779,60
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    56.891,82
    -3.164,83 (-5,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.292,94
    -98,77 (-7,10%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.249,39
    +279,68 (+0,97%)
     
  • NIKKEI

    29.748,10
    +64,73 (+0,22%)
     
  • NASDAQ

    14.034,50
    +5,00 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6703
    -0,0158 (-0,24%)
     

Por que os escritórios continuarão existindo na era pós-pandemia

Finanças Internacional
·4 minuto de leitura
The Office. Foto: NBC TV
The Office. Foto: NBC TV

Nas últimas semanas, houve muitos debates sobre o futuro do trabalho e se os escritórios ficarão obsoletos. As grandes crises sempre abrem caminho para mudanças sociais significativas, e a pandemia de coronavírus não é exceção.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Desde março, a forma como trabalhamos mudou. Muitos descrevem essa mudança como a “revolução do trabalho remoto”, pois milhares de pessoas tiveram que começar a trabalhar em casa.

Várias empresas, como Morgan Stanley, Barclays, Thomson Reuters, Vodafone, HSBC, Twitter e Unilever, comunicaram que vão aumentar as oportunidades de home office para os funcionários.

Leia também

Jes Staley, CEO do Barclays, afirmou em abril que a pandemia poderia alterar para sempre o número de pessoas que trabalham em escritórios no centro da cidade. “Haverá uma mudança de longo prazo na estratégia de localização das empresas, e ter 7 mil pessoas trabalhando em um prédio pode ser coisa do passado”, disse ele.

Enquanto algumas pessoas mal podem esperar para voltar ao escritório, outras torcem pelo aumento da flexibilidade nesse aspecto pós-COVID-19. De acordo com uma pesquisa do CIPD, os empregadores estimam que a proporção de funcionários trabalhando em casa regularmente aumente para 37% após a pandemia, em comparação com os 18% de antes.

Mas será que o ambiente de trabalho tradicional ficou mesmo no passado? As pessoas realmente querem voltar aos escritórios quando a pandemia acabar?

Os argumentos para adotar o trabalho remoto em tempo integral são convincentes. Os escritórios em bairros nobres de grandes cidades são extremamente caros, e muitas empresas já estão enfrentando dificuldades financeiras por causa do lockdown.

O deslocamento é demorado e traz mais riscos do que trabalhar em casa, considerando que a pandemia está longe de terminar. Os empregadores também podem aproveitar o aumento da produtividade, da satisfação no trabalho e da motivação entre os trabalhadores remotos, que conseguem melhorar o equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal.

Apesar de tudo isso, é improvável que os escritórios desapareçam da noite para o dia. No começo do ano, o Facebook anunciou que metade dos funcionários deverá trabalhar remotamente nos próximos cinco a dez anos. Porém, esta semana, o gigante das redes sociais fechou um dos maiores contratos de aluguel do ano: 68 mil metros quadrados no edifício James A. Farley em Manhattan, Nova York.

A crise da COVID-19 demonstrou que vários trabalhos podem ser muito bem feitos remotamente, mas outros não. Além disso, nem todo mundo quer trabalhar em casa.

Poucas pessoas têm o privilégio de ter um escritório em casa. Para quem divide o apartamento com colegas ou mora em lugares muito pequenos, é mais difícil organizar um espaço confortável e silencioso para trabalhar. Além disso, outro desafio do home office é estabelecer limites entre a vida pessoal e a profissional.

Do ponto de vista corporativo, pode ser difícil desenvolver uma cultura organizacional sem um escritório físico. Embora muitos prefiram trabalhar no sofá a ficar em uma estação de trabalho durante oito horas por dia, ter a companhia dos colegas e interagir no ambiente de trabalho ainda tem sua importância. Passar horas em casa, mesmo com um animal de estimação, pode ser extremamente solitário sem um colega para tomar um cafezinho.

Para muitas pessoas, a solução ideal seria trabalhar remotamente em meio período. De acordo com uma pesquisa da Stanton House, cerca de 70% dos 600 profissionais entrevistados gostariam de trabalhar no escritório menos de dois dias por semana no futuro.

Menos de um terço (29%) demonstrou preferência por trabalhar três dias ou mais por semana no escritório e apenas 4% gostariam de voltar a esse espaço mais do que quatro dias por semana.

Este ainda não será o fim dos escritórios, mas especialistas acreditam que eles serão muito diferentes do que estávamos acostumados antes da COVID. É improvável que milhares de pessoas trabalhem em um prédio ao mesmo tempo, principalmente com as normas de distanciamento social em vigor. O escritório pode se tornar uma base para os funcionários se reunirem algumas vezes por semana para tarefas essenciais. Já estamos saturados de reuniões pelo Zoom, mas é bem provável que elas sejam o padrão no futuro próximo.

Lydia Smith

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube