Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.024,41
    -3.975,45 (-7,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Por que os dentes do siso demoram tanto para nascer?

·2 min de leitura

Mesmo depois de adultos e de todos os nossos dentes de leite já terem caído para dar espaço aos definitivos, ainda temos uma ameaça que pode incomodar a qualquer momento: os dentes do siso. Esses molares, muitas vezes, não crescem como qualquer outro dente, mas sim em inclinações variadas ou empurrando os vizinhos, podendo causando bastante dor e até inflamação.

Mas por que os dentes do siso (ou terceiros molares) demoram tanto para nascer e, algumas vezes, podem dar muito trabalho? Cientistas foram atrás da resposta e publicaram um estudo bastante interessante sobre o assunto. Segundo os pesquisadores, a resposta está na maneira em que "a restrição biomecânica da forma mastigatória em primatas adultos opera através da duração do crescimento craniofacial".

<em>Imagem: Reprodução/KamranAydinov/Freepik</em>
Imagem: Reprodução/KamranAydinov/Freepik

Portanto, essa restrição regula o local em que os dentes do siso podem irromper em segurança para uma oclusão (relação da mordida com a arcada dentária) funcional. Ou seja: os dentes do siso não podem nascer antes que as mandíbulas se desenvolvam completamente e tenham espaço suficiente para abrigá-los em segurança. Porém, humanos têm uma anatomia diferente de macacos, o que dificulta esse entendimento.

Além de termos cérebros grandes e "focinhos" pequenos e recuados, precisamos esperar muitos anos para atingir a idade adulta completa, e nos reproduzimos diversas vezes antes do primeiro filho se tornar um adulto. Então, quando um cientista tenta mapear os tempos atuais com o surgimento de dentes molares em nossa espécie, o trabalho fica bastante confuso.

"O que acontece é que as nossas mandíbulas crescem muito lentamente, provavelmente devido às nossas histórias de vida, que são lentas, em geral", diz Gary Schwartz, co-autor do estudo. "Em combinação com nossos rostos curtos, isso atrasa [a formação de] um espaço mecanicamente seguro, resultando em idades muito tardias de erupção do terceiro molar", completa o pesquisador.

<em>Imagem: Reprodução/cottonbro/Pexels</em>
Imagem: Reprodução/cottonbro/Pexels

Para chegar a essa segurança, é preciso não só que a mandíbula tenha o tamanho ideal para abrigar os dentes, mas também que haja uma boa mecânica dos nossos músculos de mastigação. Quando os terceiros molares surgem muito cedo, o que é bastante comum, o sistema mastigatório não está pronto para abrigá-los, resultando em prejuízos no alinhamento da arcada e até mesmo na articulação temporomandibular. A necessidade desse equilíbrio foi encontrada pelos pesquisadores não só em humanos, como em quase duas dúzias de espécies de primatas, de gorilas a lêmures. "Nossos resultados sugerem que a erupção [do terceiro] molar retardada no Homo sapiens é o resultado de uma retração facial extrema associada a uma desaceleração e duração prolongada do crescimento orofacial", completa o estudo.

A pesquisa foi publicada na revista científica Science Advances.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos