Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.653,96
    -1.067,62 (-0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.545,80
    -503,25 (-0,93%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,89
    +2,78 (+3,75%)
     
  • OURO

    1.882,60
    +3,10 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    23.079,53
    +24,43 (+0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    531,22
    +5,27 (+1,00%)
     
  • S&P500

    4.134,07
    +22,99 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    33.943,21
    +52,19 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.685,47
    -8,18 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.565,00
    +49,50 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5634
    +0,0441 (+0,80%)
     

Por que os carros populares estão tão caros no Brasil?

Acapulco, Mexico - May 30, 2017: Motor car Volkswagen Gol in the city street.
Volkswagen Gol, símbolo de veículo popular no Brasil, deverá sair de linha nos próximos anos.
  • Modelos de carros populares deve deixar de existir no Brasil;

  • Carros disponíveis nas revendedoras vem com preços a partir de R$ 47 mil;

  • Especialistas creditam fim dos carros populares a exigências da indústria;

Modelos de entrada das montadoras, os chamados carros populares, estão sumindo das linhas de produção, e os disponíveis nos revendedores vêm com preços nada populares, a partir de R$ 47 mil. E com vários exemplares acima dos R$ 60 mil, conforme revelado por informações do jornal O Globo nesta segunda-feira.

Leia também:

Em meio a saída de linha de modelos clássicos, como o Volkswagen Gol e o Fiat Uno, das concessionárias brasileiras, de acordo com o jornal, os dois carros zero quilômetro mais baratos do país atualmente são o Fiat Mobi e o Renault Kwid, cujos modelos mais básicos custam, respectivamente, R$ 47.301 e R$ 47.562, segundo a tabela Fipe. O carro mais vendido do país neste ano é o Fiat Argo, que sai por nada menos que R$ 66.260, o equivalente a 55 salários mínimos, considerando o piso aprovado pelo Congresso para 2022.

Especialistas creditam o fim dos carros populares a exigências da indústria

A situação da falta de carros populares, segundo especialistas e a própria indústria, ouvidos pelo jornal O Globo, não está relacionado apenas à escassez global de semicondutores provocada pela pandemia, que tem limitado a produção das montadoras. A conjuntura intensificou o foco das marcas nos modelos premium, mas quem entende do mercado é taxativo: os preços populares não voltarão mais.

Segundo o jornal, as crescentes exigências regulatórias no Brasil, seguindo padrões de segurança de países desenvolvidos como a obrigatoriedade de airbags, encarecem os populares, dizem as montadoras. A partir de 2022, esses modelos também terão de contar com controle de vapores emitidos durante o abastecimento, mais um item no custo de produção: Além disso, demandas do motorista brasileiro tornaram praticamente obrigatórias amenidades como ar-condicionado e sistema de entretenimento, mesmo nos modelos mais básicos.

O diretor técnico da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Henry Joseph Jr., diz que o carro “despojado e com o mínimo necessário” para pessoas de menor poder aquisitivo não existirá mais. Segundo ele, é uma tendência global iniciada nos EUA e na Europa: "As exigências regulatórias são cada vez maiores e tornam os carros mais seguros e tecnológicos. Há regulamentos de controle de poluição, que exigem níveis cada vez menores de emissões. A régua sobe e traz um custo", completou ao jornal O Globo.