Mercado abrirá em 5 h 8 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,12
    +0,25 (+0,32%)
     
  • OURO

    1.942,60
    -2,70 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.091,75
    +226,41 (+0,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    22.059,46
    +217,13 (+0,99%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.111,00
    -41,00 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5188
    +0,0032 (+0,06%)
     

Por que o uso do sinal de GPS é gratuito?

Após adquirir um novo celular, é necessário pagar para usar alguns serviços, como ligações e acesso à internet. Por outro lado, uma função essencial dos aparelhos está sempre disponível, independentemente de um chip SIM ou plano de dados móveis: o sinal de GPS.

Mesmo offline, é possível abrir um aplicativo de GPS e receber a posição exata no mapa. Apps como o Google Maps e o Waze ainda precisam de conexão com a internet para atualizar rotas e informações em tempo real, mas exibem o local atual do dispositivo.

Com essa informação, surge a dúvida: por que o uso de sinal GPS é gratuito? A explicação precisa de um pouco de contexto histórico e passa por usos militares e a Guerra Fria. Saiba mais a seguir!

Por que o uso de GPS tornou-se gratuito?

O Sistema de Posicionamento Global, ou GPS, foi desenvolvido pelo exército dos Estados Unidos da América para uso militar. O conjunto de satélites em órbita permitia receber informações precisas sobre alvos e a tecnologia era restrita somente aos órgãos de defesa do país.

Em 1983, durante a Guerra Fria, essa situação mudou. O voo 007 da Korean Airlines, que decolou de Nova york com destino a Seul, teve um desvio na rota e violou o espaço aéreo soviético. O avião foi destruído pela força aérea da União Soviética e resultou na morte de todas as 269 pessoas a bordo, que incluía um congressista estadunidense.

Essa tragédia poderia ter sido evitada caso o sistema de GPS não fosse restrito ao uso militar. Diante desse cenário, o presidente Ronald Reagan disponibilizou o sinal de GPS para uso civil em 16 de setembro de 1983. A liberação tinha uma ressalva: o alcance da versão pública do serviço seria reduzido a 100 metros da posição exata, o que ainda renderia uma vantagem tática ao exército dos EUA.

No ano 2000, o presidente Bill Clinton removeu essa limitação do GPS para o público e melhorou a precisão. Como resultado, a produção de dispositivos de localização aumentou. Nesse caso, a tecnologia de GPS é paga de forma indireta, ou seja, a partir do recolhimento de impostos e da cadeia de produção dos satélites.

Por que o GPS é gratuito e a internet não?

O posicionamento GPS é transmitido por um sinal de rádio dos satélites, recebido pelo celular ou qualquer outro aparelho. Durante esse processo, os dispositivos apenas recebem a data, e não transmitem. Essa operação é mais simples e reduz custos para a tecnologia.

Aplicativos como o Google Maps usam o serviço de localização por GPS no celular (Imagem: Henry Perks/Unsplash)
Aplicativos como o Google Maps usam o serviço de localização por GPS no celular (Imagem: Henry Perks/Unsplash)

Ao usar o celular para acessar a internet ou fazer ligações, o dispositivo precisa receber e enviar dados. Além disso, a transmissão de sinal para internet varia conforme cada empresa que gerencia a tecnologia e pode enviar os dados em diferentes velocidades, por exemplo.

É importante ressaltar que a tecnologia de GPS usada nos celulares pertence aos EUA. Para evitar falhas nos satélites ou qualquer tipo de bloqueio, outros países também desenvolvem os próprios sistemas de GNSS (“Global Navigation Satellite System”, ou “Sistema Global de Navegação por satélite”, em tradução livre). É o caso de Rússia, China, Índia e União Europeia, por exemplo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: