Mercado fechado

Por que o tempo faz tão bem aos seus investimentos?

Ter o longo prazo como norte é um fator crucial na jornada de um investidor de sucesso (Getty Images)

Quando eu insisto no poder do longo prazo, não me sinto repetitivo, nem conservador. Tampouco, insistente ou monótono. Esse é um fator crucial na jornada de um investidor de sucesso e continua sendo a grande questão de quem está começando e não entende as armadilhas do mercado de capitais. E, por consequência, não sabe as formas de se proteger contra elas. 

Geralmente, quem dá os primeiros passos na renda variável chega em um ponto em que começa a se perguntar: “Quando vou ganhar dinheiro? Quando preciso me livrar dos ativos que não estão ‘rendendo’?”. E é aí, na impaciência em ver logo os retornos, que mora o perigo de uma decisão errada no calor das emoções. Por outro lado, entender a dinâmica do longo prazo pode ser sua grande oportunidade de “virar a chave” e começar a ver realmente qual a melhor estratégia a seguir.

Se não dá para cortar caminho no mundo dos investimentos, vou tentar facilitar um pouco a jornada e contar algumas maravilhas da renda variável e por que você deve vencer o medo de perder dinheiro no mercado de capitais.

Veja mais:

Mercado de capitais: entenda como funciona esse sistema

O que é renda variável? Veja sete dicas de como investir

Como começar a investir na bolsa em cinco passos fáceis

Da mesma forma que os juros se multiplicam e transformam a dívida de um inadimplente em um buraco cada vez mais fundo, eles também podem trabalhar a favor de quem investe, acumulando-se sobre o valor do capital. Isso acontece quando o investidor escolhe apostar em empresas que pagam dividendos, e os reinvestem para comprar mais ativos que geram renda passiva. 

É o chamado “efeito dos juros compostos” que atua como um  multiplicador do capital. Lembrando: esse efeito vale apenas para aqueles que não se “desfazem” dos dividendos e obedecem à regra de respeitar o longo prazo.

Outra vantagem de quem não tem a pressa como norte é o fator de proteção aos efeitos de oscilações bruscas da Bolsa de Valores. O investidor iniciante que se depara com uma queda frequente e repentina de suas ações tem como reação quase automática pensar na venda delas. É nesse momento que muitos se desfazem de suas aplicações, com grandes chances de fazerem um mau negócio. 

Quem acompanha o mercado e têm a paciência de análise sabe que suas crises são cíclicas. E não é um período eleitoral turbulento, uma guerra comercial ou mesmo uma crise econômica que são capazes de conter sua valorização natural. Especialmente, quando se tem confiança nas suas escolhas de ativos de qualidade. O jeito, mais uma vez, é aguardar. Ganha mais quem tem o foco no que pode ganhar lá na frente.

Renda variável, como o próprio nome já adianta, é volátil no curto prazo. Quem quer guardar dinheiro ou pensa em ficar rico do dia para noite está correndo risco de perder dinheiro. Agora, se analisarmos as principais economias do mundo, no entanto, esse risco vai se reduzindo com o passar dos anos. E a Bolsa de Valores tem se mostrado, de longe, o investimento mais rentável em diversos mercados. Consegue perceber por que vale a pena esperar? 

É claro que os riscos existem mas, à medida em que o investidor ganha conhecimento, consegue lidar melhor com os comportamentos do mercado e aproveitar as melhores oportunidades. Esse é o caminho.