Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.197,82
    +967,70 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.845,83
    -200,75 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,02
    +1,50 (+1,73%)
     
  • OURO

    1.725,60
    -4,90 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    20.063,48
    -291,81 (-1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,09
    -2,31 (-0,50%)
     
  • S&P500

    3.783,28
    -7,65 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    30.273,87
    -42,45 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.635,00
    -5,75 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1379
    -0,0300 (-0,58%)
     

Por que o iPhone voltou a ter “design quadrado”?

Não tem como negar que o design do iPhone sempre foi muito icônico, de forma que qualquer um consegue reconhecer os aparelhos da Apple à distância. A marca conseguiu criar um conceito muito único para seus celulares, mas com algumas controvérsias ao longo dos anos. Então, por que ela voltou com o design mais “quadrado” visto nos iPhone 4 e 5?

Uma mudança de design nem sempre é muito fácil de se entender. Podem haver inúmeros motivos ou mesmo exigências do mercado por trás de cada alteração. Ainda assim, não é um movimento que pode ser dado levianamente, principalmente quando falamos de uma das empresas mais influentes do segmento.

Dessa forma, vamos discutir um pouco sobre os porquês de se mudar um design e o que pode ter levado a fabricante de Cupertino a assumir essa “nova identidade visual”.

Entendendo um pouco sobre design

Falar sobre design ou criação nem sempre é uma tarefa fácil. Isso porque envolve diversos fatores, sendo que muitos deles são subjetivos, isto é, cada pessoa vai interpretar de acordo com suas vivências e valores.

Dito isso, uma mudança sem planejamento e pouco embasada pode gerar muitas críticas e trazer o efeito oposto ao que se pretendia. Para evitar isso, muitas empresas, antes de assumir novas caras e identidades visuais, procuram fazer várias pesquisas de mercado.

Elas levantam protótipos e sugestões, que são então apresentadas a um público para ter uma ideia de como será a recepção. Assim, a empresa pode tentar juntar a parte criativa com os insights adquiridos, a fim de integrar as duas necessidades.

Além disso, o design — ainda mais de produtos que estão atrelados ao status e poder de compra — tem que levar em consideração como os usuários se sentirão ao ter esse “novo” visual nas mãos.

Nesse sentido, a Apple consegue criar tendências e engajar uma comunidade muito fiel, por conta de todo ecossistema que criou. Já que possui um reconhecimento bastante forte no mercado.

Mudanças que não foram bem-vindas

Se lembrarmos da época do lançamento do iPhone 6, podemos recordar também que não tivemos uma transição muito tranquila no quesito design. O iPhone 5 estava bem consolidado com a aparência quadrada, e seu sucessor estava sofrendo várias polêmicas na estreia.

Todos lembramos do “primeiro celular dobrável da Apple”, o problema é que ele conseguia dobrar só uma vez e nunca mais. Muito se falou da construção frágil do iPhone 6, além da mudança para uma pegada mais redonda, principalmente nas bordas.

O iPhone 6 não agradou muito quando chegou (Imagem: Divulgação/Apple)
O iPhone 6 não agradou muito quando chegou (Imagem: Divulgação/Apple)

Isso já mostrava como o design visto nas gerações anteriores agradava bastante aos consumidores. De forma que não seria estranho a Apple ter se baseado nisso para reviver essa época.

Podemos lembrar também do iPhone 4, um dos maiores sucessos da fabricante, que fez o lançamento dessa tendência. Ele conseguiu angariar muitos fãs e também chamou bastante atenção dos críticos.

A necessidade de novos ares para o iPhone

Ainda assim, não podemos negar que o iPhone continuou sendo um sucesso de vendas ao longo da década de 2010. Contudo, também pudemos perceber que mais no finalzinho do decênio, ele começava a sentir o peso da “idade”.

Era preciso trazer novos ares para o modelo, mas sem assustar a base já consolidada de consumidores. E por que não trazer um design já conhecido? Além de “agitar” novamente o mercado, de quebra poderia resgatar alguns fãs perdidos.

Dessa forma, o iPhone 12 trouxe uma reestilização do que vimos no iPhone 4 e 5. Com bordas retas, mas que traziam bastante sofisticação para aqueles que observavam mais de perto.

Outro ponto que pode justificar essa mudança para o design quadrado é a organização dos componentes de hardware. Em uma carcaça mais reta, é possível ter mais espaço para acomodar uma bateria maior, por exemplo.

O iPhone 12 reviveu o design visto no iPhone 4 e 5 (Imagem: Canaltech)
O iPhone 12 reviveu o design visto no iPhone 4 e 5 (Imagem: Canaltech)

Além disso, você tem uma forma diferente de fazer manutenção, sendo que um design quadrado pode ser mais interessante para facilitar abrir e fechar o aparelho.

Outra justificativa, talvez um pouco mais especulativa, é a homenagem aos 10 anos da morte de Steve Jobs, que aconteceu em 2011. Assim, pode ter sido uma estratégia da Apple para relembrar o marco da empresa e de seu falecido CEO.

Por fim, podemos levantar a hipótese de que, em termos de ergonomia, o design quadrado favorece uma pegada mais firme na mão. Inclusive, para levantar o aparelho de superfícies planas, ele também é um facilitador.

Assim, temos várias possibilidades do porquê tivemos a volta do design quadrado ao iPhone. Pode ser apenas uma jogada para revitalizar o modelo ou então vários outros motivos, sequer citados aqui.

O principal é que não devemos subestimar a importância de estudar e compreender o que os consumidores estão procurando na hora de criar ou renovar um produto.

É sempre importante levar esses pontos em consideração quando fazemos esses pequenos estudos para entender as estratégias e ações das fabricantes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: