Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.375,25
    -1.185,58 (-1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.728,87
    -597,81 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    93,20
    +4,75 (+5,37%)
     
  • OURO

    1.701,80
    -19,00 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    19.561,43
    -340,68 (-1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,50
    -9,53 (-2,09%)
     
  • S&P500

    3.639,66
    -104,86 (-2,80%)
     
  • DOW JONES

    29.296,79
    -630,15 (-2,11%)
     
  • FTSE

    6.991,09
    -6,18 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.096,25
    -445,50 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0768
    -0,0367 (-0,72%)
     

Por que o coração de Dom Pedro I foi separado de seu corpo?

Para as comemorações de 200 anos da Independência do Brasil, o coração de Dom Pedro I voltará pela primeira vez ao país e, de forma inédita, esta relíquia será exibida publicamente em solo nacional. O que pouca gente sabe é que o coração e o corpo do primeiro imperador do país não foram preservados juntos por uma vontade dele próprio.

Em vida, um dos últimos pedidos de Dom Pedro I foi de que o seu coração fosse preservado na cidade do Porto, em Portugal, onde recebeu apoio quando precisou nos seus últimos dias. Enquanto isso, o corpo é mantido há anos na cidade de São Paulo.

Por que o coração de Dom Pedro I foi separado do seu corpo?

Para ser preciso, a Igreja de Nossa Senhora da Lapa guarda o coração de Dom Pedro I há 187 anos em um recipiente de vidro, embebido em formol. Buscando garantir a segurança da relíquia, uma urna de madeira, com cinco chaves, adiciona uma nova camada de segurança, de acordo com a Irmandade da Lapa.

Apesar da inusitada ideia de se dividir em dois, esta foi a vontade do próprio imperador que morreu em consequência da tuberculose — doença causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis, também conhecida como bacilo de Koch. Diferente da época do imperador, hoje existem vacinas que são aplicadas em crianças, como a BCG, e também remédios específicos (antibióticos). Com isso, a mortalidade desta doença caiu de forma significativa.

Antecedentes históricos da decisão

Vale lembrar que, em abril de 1831, Dom Pedro I precisou abdicar do trono brasileiro, deixando o posto para o seu filho — o futuro Dom Pedro II —, e retornou para a Europa. De volta a sua terra natal, ele travou uma batalha com seu irmão D. Miguel para garantir que a coroa portuguesa voltasse a ser de sua filha Maria da Glória — a primogênita.

Nas batalhas que travou contra D. Miguel, o apoio da população do Porto foi decisivo e, ao lado deles, venceu o seu irmão, restituindo o trono a sua filha. Mais tarde, ela chegou a ser coroada como Maria II. No entanto, pouco tempo depois, no dia 24 de setembro de 1834, D. Pedro I contraiu a tuberculose e morreu, deixando como último pedido que o seu coração fosse preservado junto àqueles que o ajudaram.

O corpo do imperador está enterrado no Museu do Ipiranga

O coração de Dom Pedro I é preservado na cidade do Porto, mas o corpo do imperador é mantido no complexo do Museu do Ipiranga, em São Paulo (Imagem: Fidel Forato/Canaltech)
O coração de Dom Pedro I é preservado na cidade do Porto, mas o corpo do imperador é mantido no complexo do Museu do Ipiranga, em São Paulo (Imagem: Fidel Forato/Canaltech)

Se o coração de Dom Pedro I está na cidade do Porto, não se pode dizer o mesmo de seu corpo. Desde 1972, os despojos do imperador são mantidos na Cripta do Monumento à Independência. Esta é uma parte do Museu do Ipiranga, localizada na cidade de São Paulo.

Inclusive, o local está a poucos metros do local onde o então príncipe regente teria dado o suposto — e mítico — Grito da Independência, no dia 7 de setembro de 1822. O próprio monumento retrata a cena que foi imortalizada em pinturas.

Bicentenário da Independência no Brasil

No dia 22 de agosto, o coração de Dom Pedro I retornou ao solo brasileiro e, segundo o Planalto, a relíquia está recebendo as mesmas honras de Estado dispensadas a chefes de outras nações em visita ao país. Isso em respeito ao homem que foi responsável por declamar a independência do Brasil.

Agora, entre os dias 25 de agosto e 5 de setembro, o coração do primeiro imperador brasileiro poderá ser visto pelo público. Para manter a segurança do órgão, ele será mantido em uma sala climatizada e estará sob a vigilância da Polícia Federal (PF). No dia 7 de setembro, o símbolo estará em um evento, ao lado de outros chefes de Estado convidados, homenageando o Dia da Independência.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: