Mercado abrirá em 6 h 27 min
  • BOVESPA

    112.611,65
    +1.322,47 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.466,02
    -571,03 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,32
    +0,71 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.797,10
    +4,00 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    37.247,13
    +1.225,41 (+3,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    844,70
    +25,20 (+3,07%)
     
  • S&P500

    4.326,51
    -23,42 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.160,78
    -7,31 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.566,89
    -240,11 (-1,01%)
     
  • NIKKEI

    26.714,16
    +543,86 (+2,08%)
     
  • NASDAQ

    14.151,75
    +165,00 (+1,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0293
    +0,0053 (+0,09%)
     

Por que esses exploradores estão passando 80 dias na Antártida?

·2 min de leitura

Os exploradores Justin Packshaw e Jamie Facer Childs estão se aventurando em uma jornada de 3.650 km na Antártida. O desafio faz parte da missão Chasing the Light, uma expedição que ajudará a NASA e a Agência Espacial Europeia (ESA) a entender melhor como as condições de outros planetas podem impactar física e psicologicamente o corpo e mente dos humanos.

Primeiro, eles precisam percorrer um trajeto de 2.159 km, saindo do porto de Novolazarevskaya e indo até o polo sul geográfico. Depois, vão seguir viagem por mais 1.490 km, indo da enseada de Hércules até chegarem a Union Glacier Camp. Atualmente, a dupla já passou do 40º dia de viagem (a jornada terá 80 dias no total) e, além das temperaturas congelantes, vêm enfrentando também ventos que podem chegar a 320 km/h.

A viagem é dura, mas irá ajudar em futuras explorações espaciais tripuladas. “Assim como as condições extremas encontradas nos planetas do Sistema Solar, a Antártida tem um ambiente hostil que é útil para uma série de pesquisas humanas e biológicas”, descreve o site da missão. “A missão de Justin e Jamie irá ajudar os cientistas a observar uma história rara da adaptabilidade humana, que acabará contribuindo para a exploração espacial”.

Para isso, a NASA, a ESA e a Universidade de Stanford estão coletando dados de dispositivos inteligentes que os viajantes estão usando. Além destes itens, eles não levam nenhuma outra tecnologia que ajude na viagem: Justin e Jamie estão seguindo somente com uma pipa, que aproveita ventos favoráveis para ajudar no deslocamento, e levam dois trenós de 200 kg com alimentos, equipamentos e amostras fisiológicas que vão coletar.

Outra tarefa deles é a coleta de dados ambientais, como o nível do gelo, radiação e velocidade dos ventos. Como os satélites não ficam exatamente sobre o polo sul, estas medidas podem preencher uma lacuna deixada pelos dados coletados em órbita, contribuindo também para pesquisadores receberem informações importantes sobre as mudanças climáticas.

Por fim, a jornada ajudará ainda a NASA a entender como a percepção de distâncias pode ser afetada em ambientes extremos. Por exemplo, durante a missão Apollo 14, os astronautas Alan Shepard e Edgar Mitchell acreditavam que uma cratera lunar estava a mais de 1 km de distância. No fim, eles estavam a apenas 15,2 m da formação. Originalmente, a jornada dos exploradores seria mais longa, mas o trajeto precisou ser alterado e, com certeza, ainda guarda várias surpresas pela frente.

Você pode conferir atualizações sobre a expedição de Justin e Jamie e até um diário de viagem no site da missão. Para acessá-lo, é só clicar aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos