Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.871,71
    +1.165,80 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.224,64
    +395,33 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,40
    +1,58 (+2,48%)
     
  • OURO

    1.842,40
    +18,40 (+1,01%)
     
  • BTC-USD

    50.254,74
    +1.047,46 (+2,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.408,61
    +50,05 (+3,68%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.389,25
    +289,00 (+2,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4065
    -0,0060 (-0,09%)
     

Por que essas pessoas exploraram tubos de lava no Havaí usando trajes espaciais?

Wyllian Torres
·3 minuto de leitura

Quando pensamos em exploração espacial, talvez não tenhamos a real dimensão do que é ser um astronauta e estar no espaço — que dirá em outro planeta. Por exemplo, operar instrumentos vestindo um pesado traje espacial demanda um esforço grande. Por isso, é importante que esses trajes sejam testados ainda aqui na Terra, sendo inclusive vestidos e manuseados simulando condições do espaço. Para isso, uma equipe de cientistas está realizando uma pesquisa em tubos de lava em um vulcão do Havaí, pois é um ambiente análogo aos encontrados em Marte ou na Lua.

O estudo faz parte do projeto Hawaii Space Exploration Analog and Simulation (HI-SEAS), da International MoonBase Alliance (IMA). O HI-SEAS é uma estação de pesquisa localizada no alto do vulcão Mauna Loa, aproximadamente 2,5 km acima do nível do mar, na maior das ilhas do Havaí. O local foi escolhido por apresentar algumas características semelhantes às encontradas em Marte e até mesmo na Lua, como é o caso dos tubos de lava, onde a pesquisa de Michaela Musilova, também diretora do projeto, acontece.

Estação HI-SEAS, aproximadamente 2,5 km acima do nível do mar (Imagem: Reprodução/HI-SEAS)
Estação HI-SEAS, aproximadamente 2,5 km acima do nível do mar (Imagem: Reprodução/HI-SEAS)

Os pesquisadores passam longos períodos no HI-SEAS — de dias a meses — para a realização de inúmeras pesquisas. A equipe de Musilova realiza experimentos em tubos de lava e, para isso, eles precisam estar vestidos se seus pesados trajes especiais (e espaciais), assim como precisariam fazer se estivessem em Marte ou na Lua. “Fazer pesquisas em trajes sob restrições de EVA torna tudo muito mais difícil de fazer e tudo leva três vezes mais tempo”, explica Musilova.

Estes tubos, encontrados em Mauna Loa, são importantes para avaliar o desempenho dos trajes, pois, em missões a outros planetas, essas estruturas encontradas por lá serão importantes de serem exploradas. Para a astrobiologia, os tubos de lava encontrados em Marte são fundamentais para as pesquisas da área, pois especialistas acreditam que essas regiões possam contar bioassinaturas (sinais de que a vida esteve por ali em um passado distante) — aqui na Terra, ainda existem espécies que vivem nestes ambientes.

(Imagem: Reprodução/Michaela Musilova/HI-SEAS)
(Imagem: Reprodução/Michaela Musilova/HI-SEAS)

O principal objetivo desse estudo é que os membros da equipe HI-SEAS — os quais também são possíveis candidatos a astronautas, já em treinamento — avaliem o funcionamento do traje. Ou seja: descobrir o que funciona ou não. Dessa maneira, o traje passa por correções para ser usado em futuras missões espaciais. Durante o trabalho, os pesquisadores desempenham o mesmo papel que fariam fora da Terra, o que envolve funções como comandante, oficial de operações, engenheiro e oficial de comunicação científica, além de especialistas como biólogos.

A seguir, confira as imagens obtidas durante exploração dos tubos:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

A equipe é formada por pessoas de diversos lugares do mundo, que também contribui para o treinamento de condições de longos períodos de isolamento e as relações sociais durante este tempo — assim como em missões no espaço. Musilova diz: “ainda precisamos aprender muito, incluindo como os humanos interagem nessas condições desafiadoras”.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: