Mercado fechará em 5 h 14 min
  • BOVESPA

    109.697,55
    +1.209,66 (+1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.566,98
    +48,68 (+0,09%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,35
    -0,93 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.851,70
    +9,60 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    30.251,95
    +274,43 (+0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    678,50
    +3,62 (+0,54%)
     
  • S&P500

    3.945,37
    +44,01 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    31.728,40
    +466,50 (+1,49%)
     
  • FTSE

    7.500,35
    +110,37 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    20.470,06
    -247,18 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    11.911,75
    +71,00 (+0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1189
    -0,0339 (-0,66%)
     

Por que cirurgiões injetaram cocaína em coração de porco antes do transplante?

·1 min de leitura

No início do mês, aconteceu o primeiro transplante de coração de porco em um ser humano. Para manter o coração batendo durante a longa operação, os cirurgiões precisaram utilizar um coquetel de drogas que tinha cocaína em sua composição. Mas calma: os médicos tiveram até a autorização do Drug Enforcement Administration, um órgão dos EUA encarregado da repressão e controle de narcóticos.

A mistura de substâncias precisou ser injetada no coração de porco para prolongar sua longevidade. Desenvolvido pela farmacêutica sueca XVIVO, o coquetel conta com vários outros ingredientes, incluindo cortisol e adrenalina.

“Antes de usar essa solução, estávamos falhando. Mas quando começamos a infundir o coração com essa solução, o órgão ficou bem preservado e passou a bater muito bem. Se não tivéssemos feito isso, a rejeição teria acontecido em minutos, e o órgão ficaria inútil”, explica Muhammad Mohiuddin, diretor de transplante cardíaco do University of Maryland Medical Center (o centro médico responsável pelo transplante), em entrevista à Vice.

Médicos injetaram cocaína em coração de porco transplantado em humano (Imagem: Neonbrand/Unsplash)
Médicos injetaram cocaína em coração de porco transplantado em humano (Imagem: Neonbrand/Unsplash)

Quem recebeu o coração de porco foi o norte-americano David Bennett (57), em uma operação que durou sete horas e foi considerada um sucesso. O paciente tinha uma doença cardíaca em estágio terminal, então o transplante era o último recurso. Para que o transplante pudesse acontecer com segurança, o porco foi geneticamente modificado, eliminando fatores que levariam o coração a ser rejeitado pelo organismo humano.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos