Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.132,79
    -278,41 (-1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Por que carros elétricos perdem autonomia no frio?

A autonomia dos carros elétricos pode ser um problema, dependendo do modelo, quando levamos em consideração a infraestrutura, ainda carente, de países como o Brasil. Há, porém, um "inimigo oculto" (ou quase) que torna a situação ainda pior em outros lugares do mundo, nos quais a infra até pode ser melhor, mas o inverno é bem mais rigoroso: o frio.

De acordo com dados divulgados pela Consultoria Recurrent Auto, após um amplo estudo com alguns dos principais modelos de carros elétricos do mercado, todos, independentemente da marca, sofrem algum grau de perda de autonomia em temperaturas mais baixas, além de demorarem mais tempo para carregar. E por que isso acontece?

“A perda de alcance no inverno ocorre por alguns motivos, mas os dois principais fatores contribuintes são químicos e mecânicos. As reações químicas e físicas na bateria ocorrem mais lentamente em temperaturas frias. Isso reduz a potência dos EVs. As temperaturas frias inibem as reações químicas e atuam como resistência que retarda os processos físicos”, diz o estudo.

Carros elétricos perdem autonomia e demoram mais para carregar no frio (Imagem: UTC Simbiothy/Envato/CC)
Carros elétricos perdem autonomia e demoram mais para carregar no frio (Imagem: UTC Simbiothy/Envato/CC)

Os dados coletados pela Recurrent apontaram ainda uma diferença fundamental entre os carros a combustão, reconhecidamente menos eficientes no consumo energético, e os elétricos. Esse ponto, de acordo com o estudo, também ajuda a explicar o porquê os carros elétricos perdem autonomia no frio.

“Toda a energia que os carros a combustão não usam para impulsioná-los para a frente é transformada em calor residual, ou seja, energia perdida. No frio, no entanto, eles direcionam essa energia para aquecer a cabine. Por outro lado, um carro elétrico tem um motor muito mais eficiente, que não gera tanto calor. No frio, ele é usado para aquecer a própria bateria. Isso significa que o aquecimento da cabine requer uma fonte de energia, que é a bateria de alta tensão. Isso impacta diretamente na redução da autonomia”.

Carros elétricos da Tesla chegam a perder até 19% da autonomia em climas frios (Imagem: Ivan Kaslouskij/Envato/CC)
Carros elétricos da Tesla chegam a perder até 19% da autonomia em climas frios (Imagem: Ivan Kaslouskij/Envato/CC)

Quais carros elétricos perdem mais autonomia no frio?

Segundo os dados da Recurrent, as perdas podem variar de acordo com o modelo do carro. O estudo foi feito em cima dos 14 modelos considerados mais populares na Europa, e apontou variações entre 3% e 30% na diminuição da autonomia dos modelos quando submetidos a temperaturas entre 70º F (21º C) e graus diferenciados de congelamento.

O carro que se comportou melhor ao “entrar em uma fria” foi o Jaguar I-Pace, com perda estimada de 3% na autonomia total, enquanto o Chevrolet Bolt, dotado de bateria de 60 kWh, foi o que mais sofreu, com diminuição de 32% no alcance. Volkswagen ID.4 e Ford Mustang Mach-E apareceram na sequência, com redução estimada de 30% nas mesmas condições climáticas.

Estudo reuniu 14 modelos mais populares de carros elétricos na Europa (Imagem: Divulgação/Recurrent Auto)
Estudo reuniu 14 modelos mais populares de carros elétricos na Europa (Imagem: Divulgação/Recurrent Auto)

Este estudo em relação à influência da temperatura na autonomia dos carros elétricos não é o único. Em março de 2022, o ADAC, conceituado clube automotivo alemão, colheu dados sobre uma série de modelos, alguns já testados pelo Canaltech, como o Fiat 500e, o Renault Zoe e o Volkswagen ID.3. E chegou à mesma constatação.

De acordo com os números do ADAC, o Fiat 500e reduziu sua autonomia em 25% quando deixou de rodar em uma temperatura de 14ºC para uma de -7º C. O alcance por carga do Zoe caiu 30% e o do Volkswagen ID.3 a impressionantes 50% sob as mesmas condições.

Volkswagen ID.3 pode perder até 50% da autonomia em temperaturas extremamente frias (Imagem: Paulo Amaral/Canaltech)
Volkswagen ID.3 pode perder até 50% da autonomia em temperaturas extremamente frias (Imagem: Paulo Amaral/Canaltech)

Dicas para manter a autonomia em climas frios

Apesar de estar cientificamente comprovado que um carro elétrico submetido aos climas frios será afetado negativamente no que tange a autonomia, há algumas formas de ao menos tentar evitar uma redução tão drástica no alcance da carga:

  • Baixar a temperatura interna em alguns graus: essa dica é válida, mas cuidado para não desligar totalmente o sistema de aquecimento, pois religá-lo certamente gastará mais energia e diminuirá o alcance final;

  • Dirija com cautela: a segunda dica é para o motorista, e também serve para outros tipos de clima. Ao evitar freadas e acelerações repentinas e dirigir em velocidade constante e moderada, o consumo de energia é menor e, consequentemente, a autonomia é maior;

  • Eco mode: Se houver a opção Eco no carro elétrico, opte por ela. Os recursos deste modo de direção costumam ter uma maior recuperação de energia na desaceleração, e cada quilômetro ganho é importante;

  • Calibragem dos pneus: Outra dica importante é relacionada aos pneus. Como a pressão nos compostos tendem a diminuir nas baixas temperaturas, uma resistência maior é passada aos rolamentos, e isso incorre em uma maior aceleração e um maior gasto de energia.

E aí: gostou das dicas? Comente conosco em nossas redes sociais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: