Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.921,67
    +459,32 (+0,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Por que algumas pessoas são mais altas que outras? A resposta está no cérebro

·1 min de leitura

Com o passar dos séculos, a altura média da população de determinados países passa por alterações. No caso do Reino Unido, por exemplo, houve um aumento de 10 cm desde o século XX. Em partes do Sul da Ásia e da África, as pessoas são apenas um pouco mais altas do que eram há 100 anos. Até então, não estava claro o motivo por trás dessas mudanças, mas um novo estudo da University of Cambridge (Reino Unido) descobriu uma relação interessante com o cérebro.

Segundo o estudo, o receptor cerebral por trás desse processo se chama MC3R. Basicamente, sua atuação é comunicar ao corpo que a pessoa está bem, tem uma boa alimentação e está pronta para crescer. Quando esse receptor não funciona adequadamente, as pessoas tendem a ser mais baixas e começam a puberdade mais tarde do que outras.

(Imagem: Raman Oza/Pixabay)
(Imagem: Raman Oza/Pixabay)

Para descobrir isso, a equipe pesquisou a composição genética de 500 mil pessoas inscritas no UK Biobank, um banco de dados genéticos do Reino Unido. O estudo apontou que crianças com mutações genéticas que afetam o receptor cerebral eram todas mais baixas e pesavam menos do que as outras crianças, o que sugere que esse efeito começa já na infância.

Os responsáveis pela análise ainda estudaram camundongos e confirmaram que esse processo também acomete os animais. A ideia da pesquisa é ajudar crianças com graves atrasos no crescimento e na puberdade. O próximo passo é investigar se medicamentos que ativam seletivamente o MC3R podem ajudar a redirecionar as calorias para os músculos e outros tecidos para melhorar a funcionalidade física de tais pacientes. O estudo foi publicado na revista científica Nature.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos