Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.286,00
    +943,48 (+1,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Por controle da web, Rússia ameaça Google, Apple, TikTok, Meta e outras

·2 min de leitura

O governo da Rússia preparou uma forte ofensiva contra 13 empresas de tecnologia, a maioria sediada nos Estados Unidos, para tentar ampliar o controle das atividades no país. Segundo a agência Reuters, essas grandes companhias deverão abrir escritórios locais até o próximo ano ou poderão ser expulsas.

A Roskomnadzor, agência estatal russa responsável por monitorar e controlar a mídia no país, emitiu um aviso a companhias como Alphabet (Google), Apple, Meta (Facebook), ByteDance (TikTok), Telegram e Twitter para tomarem medidas ou sofrerem as punições previstas na legislação, como restrições de publicidade, multas ou até a interrupção definitiva do serviço.

A Rússia apertou o cerco a empresas de tecnologia e ameaçou aplicar sanções caso elas não se ajustem à legislação (Imagem: Reprodução/twenty20photos)
A Rússia apertou o cerco a empresas de tecnologia e ameaçou aplicar sanções caso elas não se ajustem à legislação (Imagem: Reprodução/twenty20photos)

A ação é embasada em uma lei russa que começou a vigorar em julho e exige que todas as empresas de mídias sociais com mais de 500 mil usuários ativos diariamente sejam forçadas a ter escritórios locais. A prática seria considerada uma medida protecionista de Moscou para promover companhias nacionais e forçar as estrangeiras a compartilhar dados dos usuários.

Incerteza sobre a legislação

Especialistas ouvidos pela Reuters disseram que o regramento é vago e não delimita qual a forma legal de representação da organização. Mas, conforme o esclarecimento da Roskomnadzor, além dos escritórios locais, as empresas estrangeiras precisam registrar contas na agência, fornecer formulários de avaliação para os usuários russos, além de limitar o acesso a "informações que violem a legislação russa".

Por outro lado, as empresas de mídias sociais temem que a fixação de sucursais em solo russo facilitem as tentativas de limitar acessos ou as submeta a possíveis intervenções por parte do governo de Vladmir Putin. O país, inclusive, já ameaçou bloquear serviços estrangeiros que se recusam a retirar conteúdo considerado ilegal, como os relacionados a protestos ou páginas críticas ao Kremlin.

Há pouco mais de um mês, a Apple foi condenada em uma ação milionária por acusação de monopólio. Em julho, o Facebook e o Telegram foram multados por não remover conteúdos determinados pelo governo russo.

Em 2018, as autoridades russas tentaram bloquear o uso do Telegram no país, o que causou indisponibilidade generalizada da internet. De lá para cá, a situação escalou e hoje existe uma filtragem dos provedores de serviço no local, bem como severas críticas a supostas tentativas de interferência do governo da Rússia nas companhias.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos