Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    43.785,08
    -3.252,42 (-6,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,99 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,29 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7640
    +0,0251 (+0,37%)
     

Por causa de R$ 5, PM de folga mata estudante em tabacaria de SP

Ponte Jornalismo
·5 minuto de leitura
Estudante de engenharia, Iago Gomes Cunha tinha 23 anos | Foto: Facebook
Estudante de engenharia, Iago Gomes Cunha tinha 23 anos | Foto: Facebook

Por Jeniffer Mendonça

O estudante de engenharia Iago Gomes Cunha foi morto aos 23 anos por um policial militar de folga, o soldado Guilherme Cardoso Garcia, 25 anos, na tabacaria Smoke Like, em Ermelino Matarazzo, na zona leste da capital paulista, em 31 de janeiro. O motivo foi uma discussão motivada por uma taxa de R$ 5, que Iago não havia pago ao estabelecimento.

Embora o PM tenha matado o jovem quando buscava defender os interesses da tabacaria, o proprietário da Smoke Like, Rérisson de Morais Braz, negou, em depoimento à Polícia Civil, que o soldado estivesse atuando como segurança do estabelecimento na noite do crime. Rérisson, contudo, admitiu que já havia contratado Guilherme como segurança do local “por quatro ou cinco vezes” — a prática de policiais atuarem como seguranças privados é ilegal. Após o crime, o PM foi preso.

Leia mais na Ponte:

De acordo com os depoimentos dados por dois amigos da vítima à Polícia Civil, de 22 e 23 anos, eles e Iago foram à tabacaria, localizada na Rua Paranaguá, por volta das 22h, esperar um outro colega. Foi quando um homem, que imaginaram ser segurança do local, questionou: “Vocês vão ficar? A taxa é R$ 5!”. O homem era o PM Guilherme.

Iago respondeu ao policial que estavam apenas procurando um amigo, que eram clientes antigos e não ficariam no estabelecimento. Quando estavam saindo do local, o soldado gritou “Você me chamou de cuzão?”, em direção a Iago, que teria negado. Começou uma discussão entre os dois e, segundo as testemunhas, Guilherme empurrou o estudante, sacou uma arma e deu três tiros contra ele, que caiu no chão.

Os amigos tentaram socorrer Iago, mas Guilherme não deixou e apontou a arma para que eles se afastassem. Uma frequentadora que estava no local se identificou como enfermeira e começou a prestar os primeiros socorros até a chegada da equipe médica do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), mas o estudante morreu no chão. Ele foi atingido no abdômen.

O proprietário da tabacaria, Rérisson de Morais Braz, confirmou que conhecia Iago há dois meses e que o policial questionou os três amigos a respeito da taxa de R$ 5. Guilherme havia se aproximado deles para que deixassem o espaço, momento em que os jovens teriam “aumentado a voz”, sem proferir xingamentos, e que saíram do local. Já do lado de fora, começaram a discutir e Iago, segundo Rérisson, teria ofendido Guilherme, que deu um empurrão e sacou a arma. Logo em seguida, Iago teria “avançado” contra Guilherme, que efetuou dois disparos.

Documento do PM Guilherme Cardoso Garcia | Foto: Reprodução
Documento do PM Guilherme Cardoso Garcia | Foto: Reprodução

Já o policial militar alegou que encontrou dois amigos na tabacaria e que notou a chegada dos três rapazes, sendo que um deles estaria “aparentemente embriagado”, já que estariam falando alto e passaram a discutir com o dono do estabelecimento. Guilherme disse que “entendeu” que o trio queria permanecer no local, mas que haviam se recusado a pagar a taxa de R$ 5, e que tentou “apaziguar” a situação. Ele afirma que Iago passou a “cismar” com ele e a xingá-lo. Em seguida, identificou-se como policial militar, dizendo que estava armado, mas Iago o teria chamado de “cuzão” e “filho da puta”, encostando “o dedo indicador no peito” do PM.

Na versão do PM, ele diz que esticou a mão para que o estudante se afastasse, mas que Iago teria dado um tapa na sua mão e avançado contra a sua cintura para desarmá-lo. Só nesse momento, segundo o policial, é que ele deu dois disparos “com a intenção de acertar a parte inferior do seu corpo”. Mesmo baleado, Iago teria tentado desarmá-lo e por isso o soldado deu um terceiro disparo.

A versão do PM não convenceu a Polícia Civil. No 24º DP (Ponte Rasa), o delegado Michael Augusto Toricelli indiciou Guilherme por homicídio qualificado, por motivo fútil, e pediu sua prisão preventiva, apontando como base os depoimentos das testemunhas e imagens de câmeras de segurança da tabacaria. A Ponte não teve acesso às imagens, mas o relatório de investigação feito pela Polícia Civil descreve que é possível observar a discussão dentro do estabelecimento, que o soldado empurra Iago e saca uma arma, porém “não é possível determinar se a vítima Iago tentou desarmar o autor Guilherme após ele realizar saque de arma de fogo”.

Trecho do relatório de investigação realizado no dia 31/1 pela Polícia Civil | Foto: Reprodução
Trecho do relatório de investigação realizado no dia 31/1 pela Polícia Civil | Foto: Reprodução

“Da dinâmica aqui analisada infere-se que nos momentos que antecederam os disparos o autor não sofria injusta agressão a ensejar o saque de sua arma de fogo e então realizar disparos contra a vítima, concluindo-se que sua conduta foi notoriamente desproporcional, fútil e irrazoável”, justificou o delegado.

Na audiência de custódia, o juiz José Eugenio Do Amaral Souza Neto converteu a prisão em flagrante de Guilherme em preventiva (por tempo indeterminado). O Ministério Público Estadual denunciou o soldado por homicídio qualificado, por motivo fútil e que dificultou a defesa da vítima, argumentando que a ação foi desproporcional. “Na prática do crime, o indiciado empregou recurso que dificultou a defesa da vítima, eis que, valendo-se de sua habilidade, fruto de seu treinamento profissional, como policial militar, de modo repentino, surpreendente, sacou a arma que trazia consigo e efetuou contra Iago os disparos que o atingiram, sem que houvesse necessidade para tal conduta”. escreveu o promotor Fábio Rodrigues Goulart.

Outro lado

A Ponte tentou contato com a defesa do policial, por e-mail, mas não obteve resposta. A reportagem solicitou posicionamento das assessorias da Secretaria de Segurança Pública e da Polícia Militar, que não retornaram até a publicação.

Também solicitamos entrevista com o proprietário da tabacaria. Em ligação, Rérisson preferiu não conceder entrevista nem as imagens das câmeras de segurança, disse que se manifestaria no processo.