Mercado abrirá em 19 mins

População mais pobre sofre mais para comprar absorventes

·2 min de leitura
Mulher escolhendo absorventes na farmácia
Resultado levou em conta a análise do o INPC, que verifica o custo de vida médio de famílias com renda mensal de 1 a 5 salários mínimos, e do IPCA, que engloba a maior parcela da população, com renda mensal de até 40 salários mínimos

(Getty Images)

  • Inflação acumulada sobre os absorventes é maior para famílias de baixa renda

  • Desde 1999, inflação no INPC foi de 108,2%, enquanto no IPCA foi de 97,8%

  • Dados foram divulgados pelo IBGE

Um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que a inflação acumulada sobre os absorventes, nos últimos anos, é maior para as famílias de baixa renda do que para as que têm melhores condições. As informações são do portal Metrópoles.

Para chegar à conclusão, dois índices foram analisados: o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que verifica o custo de vida médio de famílias com renda mensal de 1 a 5 salários mínimos, e o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que engloba a maior parcela da população, com renda mensal de até 40 salários mínimos.

Leia também:

No subitem ‘absorvente higiênico’, enquanto a inflação no IPCA foi de 97,8%, no INPC houve alta de 108,2%. A análise foi feita desde 1999, ano de início da série histórica disponibilizada pelo IBGE.

“Os preços no mercado são os mesmos. O que muda? O peso para o item no orçamento. Ou seja, o custo para um pobre comprar um absorvente é maior do que para um rico”, explica Maria Andreia Parente, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Por gastarem todo o salário com itens básicos, como alimentação, medicamento e transporte, a população mais pobre sofre mais com as variações de preço. De acordo com o economista da FGV, André Braz, a estatística deixa claro esse impacto.

“É como se fosse assim: o arroz e o feijão subiram 20%. Para o rico, essa alta não representa nada, pois pesa pouco na renda dele. Mas não acontece o mesmo entre os mais pobres. Por outro lado, a gasolina afeta sobretudo as famílias mais ricas”, aponta.

Ambos os indicadores usam como base a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), atualizada mensalmente com a variação dos preços.

Bolsonaro veta distribuição de absorventes

No último dia 7, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vetou a distribuição gratuita de absorventes para estudantes de baixa renda, mulheres em situação de vulnerabilidade e presidiárias.

A proposta original surgiu na Câmara dos Deputados e havia sido aprovada também pelo Senado Federal em 14 de setembro. Em seguida, a medida foi para sanção do presidente.

Bolsonaro sancionou o projeto, levando à criação do Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual. No entanto, o presidente vetou o artigo 1º, justamente o que falava na distribuição de absorventes menstruais. Além disso, Bolsonaro negou a inclusão do item de higiene pessoal como parte das cestas básicas distribuídas pelo Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos