Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.697,43
    +2.827,27 (+5,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

População do México chega a 126 milhões de habitantes

·1 minuto de leitura
Trabalhadores da saúde fazem fila para receber a vacina da Pfizer/BioNTech contra a covid-19 no hospital da polícia militar na Cidade do México, 30 de dezembro de 2020

A população do México aumentou em quase 14 milhões de pessoas na última década para alcançar o total de 126 milhões, segundo os resultados do censo nacional, realizado em março do ano passado.

O dado, publicado nesta segunda-feira (25), compara-se com os pouco mais de 112 milhões de habitantes registrados pelo censo em 2010.

"O México ocupa o 11º lugar na população mundial, abaixo do Japão e acima da Etiópia", disse em um comunicado o instituto de estatísticas, INEGI.

O instituto acrescentou que 51,2% da população total são mulheres e o restante, homens. Também informou que a idade média da população é de 29 anos, enquanto no censo de 2010 era de 26 anos.

O INEGI disse que o estado do México, vizinho à capital, é a entidade federativa mais populosa do país, com quase 17 milhões de habitantes.

Segundo o censo, a população residente no México e nascida em outro país chega a 1,2 milhão de pessoas. Destes, 797.266 são americanos, 56.810 guatemaltecos e 52.948 de origem venezuelana.

Além disso, destacou que a taxa de analfabetismo diminuiu de 6,9% em 2010 a 4,7% em 2020, enquanto a disponibilidade de celulares nos lares mexicanos cresceu de 65,1% para 87,5% no mesmo período.

yug/yow/mvv