Mercado fechará em 2 h 36 min
  • BOVESPA

    113.354,59
    +1.081,59 (+0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.633,43
    +112,00 (+0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,96
    +1,06 (+1,36%)
     
  • OURO

    1.943,90
    +4,70 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    23.136,58
    -87,53 (-0,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,87
    +6,08 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.043,56
    +25,79 (+0,64%)
     
  • DOW JONES

    33.808,11
    +91,02 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.772,88
    -11,99 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    21.842,33
    -227,40 (-1,03%)
     
  • NIKKEI

    27.327,11
    -106,29 (-0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.068,25
    +100,25 (+0,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5310
    -0,0160 (-0,29%)
     

Pool de mineração de criptomoedas sofre ataque e perde US$ 3 milhões

Um ataque cibernético sofrido pelo sétimo maior pool de mineração do mundo resultou na perda de aproximadamente US$ 3 milhões em criptomoedas, um prejuízo de cerca de R$ 15,8 milhões. O golpe foi relatado pelo BTC.com, grupo que corresponde a 2,66% do total de processamento realizado em toda a rede das Bitcoins, moedas que foram alvo do incidente.

De acordo com o comunicado da companhia, do total furtado pelos bandidos, cerca de US$ 700 mil, ou aproximadamente R$ 3,6 milhões, pertenciam a clientes, enquanto os US$ 2,3 milhões restantes (ou mais ou menos R$ 12,1 milhões) eram ativos do próprio pool. Parte da quantia já foi recuperada, mas o valor recebido de volta não foi revelado.

O incidente aconteceu no dia 3 de dezembro, sendo informado às autoridades de Shenzen, na China, conforme legislação local. Agora, com a abertura das investigações sobre o caso pelas autoridades do país, vem também o alerta para o público, com o BTC.com trabalhando ao lado de forças policiais e agências ligadas ao mercado para recuperar o restante do montante e obter evidências que possam levar aos responsáveis.

Enquanto isso, internamente, medidas de segurança foram tomadas e o pool indica que, com exceção do furto das Bitcoins, não houve qualquer acesso a dados ou carteiras de seus clientes ou parceiros comerciais. A empresa continua funcionando, com exceção de alguns serviços ligados aos ativos digitais, enquanto novas proteções são aplicadas; o vetor do incidente, também, não foi divulgado pela companhia.

O BTC.com se junta agora ao grupo de empresas que fizeram de 2022 um ano complicado para o mercado de criptomoedas, do ponto de vista da segurança. Apesar de estar longe de ser um dos maiores roubos desse setor, a cifra passa a integrar uma conta que, em outubro, já era de mais de US$ 3 bilhões (cerca de R$ 18,4 bi) perdidos em ataques contra corretoras, câmbios e serviços relacionados aos ativos digitais, com o maior caso do tipo, contra a rede Ronin, sendo o recorde deste ano e de toda a história, com US$ 625 milhões perdidos, ou aproximadamente R$ 3,29 bilhões.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: