Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,72
    +0,44 (+0,67%)
     
  • OURO

    1.815,90
    -20,20 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    54.676,57
    -2.006,82 (-3,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.481,15
    -82,68 (-5,29%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    7.004,63
    +56,64 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    28.231,04
    +217,23 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    28.147,51
    -461,08 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    12.965,25
    -380,75 (-2,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4016
    +0,0562 (+0,89%)
     

Pompeo é apontado por violação de ética quando era secretário de Estado

·1 minuto de leitura
(Arquivo) O ex-secretário de Estado americano Mike Pompeo

O ex-chefe da diplomacia americana Mike Pompeo requisitou agentes pagos com dinheiro dos contribuintes americanos para realizarem tarefas pessoais, uma violação de ética mencionada em um relatório do inspetor-geral do Departamento de Estado apresentado nesta sexta-feira.

A acusação é resultado de investigações internas que geraram polêmica quando o ex-presidente Donald Trump destituiu em maio passado, a pedido de Pompeo, o inspetor-geral que abriu a investigação. Os questionamentos, no entanto, continuaram, e seu resultado é divulgado no momento em que Pompeo se encontra mergulhado em uma campanha visando a disputar a candidatura republicana para as eleições presidenciais de 2024.

O gabinete do inspetor-geral constatou que Pompeo e a mulher, Susan, atribuíram por mais de 100 vezes "tarefas de natureza pessoal a um agente recrutado com base em critérios políticos e a outros funcionários do gabinete do secretário de Estado", aponta o relatório. No ano passado, Pompeo classificou as suspeitas de "loucas" e criticou o inspetor que abriu a investigação, Steve Linick.

O relatório também menciona que o filho do casal, Nick Pompeo, beneficiou-se de um desconto reservado a funcionários do governo em um hotel, quando acompanhou os pais em uma partida de futebol americano relatada como uma viagem oficial.

O documento, no entanto, não recomenda nenhuma medida punitiva contra Pompeo, contratado recentemente pelo canal de TV conservador Fox News para atuar como comentarista político.

O ex-secretário de Estado foi acusado repetidamente pelos democratas de usar o cargo para obter benefícios políticos, organizando, por exemplo, jantares com personalidades e doadores conservadores no Departamento de Estado.

fff/dax/dg/rsr/lb