Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.853,46
    +1.395,49 (+4,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Poluição eletromagnética: saiba o que é e o que ela pode causar

·3 minuto de leitura

Quem já tentou sintonizar o rádio nas proximidades de um local como a Avenida Paulista, em São Paulo, sabe que essa é uma tarefa quase impossível. O excesso de ondas eletromagnéticas causa uma confusão generalizada no dial, impedindo que se consiga ouvir alguma coisa com o mínimo de nitidez.

Esses e outros tipos de ondas eletromagnéticas emitidas por equipamentos eletrônicos em grandes quantidades produzem o que os cientistas chamam de “poluição eletromagnética”, imperceptível a olho nu, mas que está presente por toda parte, principalmente nos grandes centros urbanos espalhados pelo mundo.

A poluição eletromagnética nada mais é do que uma designação popular do adensamento de utilização do espectro eletromagnético de radiofrequência (RF), que é a faixa de frequências no intervalo que vai de 3 quilohertz (kHz) até 300 gigahertz (GHz).

Segundo os especialistas, esse adensamento não compromete a qualidade de funcionamento dos equipamentos eletrônicos, mas pode fazer com que os usuários tenham problemas para acessar um determinado serviço.

Antenas de rádio, tv e telefonia contribuem com a poluição eletromagnética (Imagem: EdVal/Envato)
Antenas de rádio, tv e telefonia contribuem com a poluição eletromagnética (Imagem: EdVal/Envato)

“Cada país tem seu órgão regulador oficial que determina a utilização das várias faixas de frequência. Na imensa banda de RF há faixas que atendem os produtos eletrônicos de nosso dia a dia. O adensamento é como uma rua ou avenida, que pode ter tráfego leve ou mais intenso, e essa demanda maior do uso do espectro provoca limitações”, explica o professor Eduardo Pouzada, engenheiro eletrônico do Instituto Mauá de Tecnologia (IMT).

Faz mal à saúde?

Os equipamentos emissores de radiação eletromagnética são subprodutos dos avanços tecnológicos das últimas décadas. Redes de transmissão de energia elétrica, telefones celulares, computadores, antenas de rádio e televisão e fornos de micro-ondas são apenas alguns exemplos entre os potenciais causadores da poluição eletromagnética.

Desde o começo dos anos 2000, quando era moda desfilar com aquele tijolão na cintura, a telefonia celular é alvo de pesquisas sobre a segurança dos aparelhos e das antenas de telecomunicação.

Não existem evidências científicas de que a poluição eletromagnética cause problemas de saúde (Imagem: amazingmikael/Envato)
Não existem evidências científicas de que a poluição eletromagnética cause problemas de saúde (Imagem: amazingmikael/Envato)

No passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) admitia que o uso indiscriminado de aparelhos celulares teria um potencial cancerígeno para os seres humanos, mas hoje a comunidade médica afirma que não há um embasamento científico consistente para associar a poluição eletromagnética a problemas sérios de saúde.

A teoria de que a exposição à radiofrequência de celulares analógicos poderia causar câncer na região do pescoço e da cabeça já não é vista da mesma forma como antigamente por causa da evolução natural dos aparelhos, que utilizam tecnologia digital e operam em outras frequências com níveis mais baixos de energia.

Controle

As frequências de operação e a intensidade das emissões eletromagnéticas são parâmetros fixados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Teoricamente, a ocupação do espectro não é um problema se as intensidades das radiações eletromagnéticas e as frequências associadas estiverem dentro dos limites estabelecidos.

Telefones modernos emitem frequências com baixos níveis de energia (Imagem: arthurhidden/Envato)
Telefones modernos emitem frequências com baixos níveis de energia (Imagem: arthurhidden/Envato)

Para os especialistas, desde que as normas técnicas sejam obedecidas e que os aparelhos estejam em boas condições de uso, não há riscos para o usuário. É preciso, porém, que as empresas adequem os projetos de fabricação dos equipamentos eletrônicos, mantendo as especificações de segurança sempre atualizadas.

“Nenhum equipamento com qualidade (certificado e homologado) para ser comercializado provocará consequências negativas ao usuário. No entanto, o uso indevido de gadgets piratas ou equipamentos adulterados pode causar problemas. Considerando os limites da tecnologia e o estilo ao qual a sociedade se acostumou, evitando as conexões com fios, acredito que esse é um caminho evolutivo sem volta”, completa o professor Pouzada.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos