Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.418,20
    +760,03 (+1,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Poluição do ar pode prejudicar a saúde do cérebro, revela novo estudo

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

Já não é novidade que a poluição vem degradando a atmosfera a cada vez mais, fazendo com que o planeta aqueça a níveis assustadores. Porém, parece que não é apenas essa a consequência da emissão de gases de efeito estufa. De acordo com um estudo recente, aumentos temporários na poluição do ar podem ser prejudiciais para a saúde de nosso cérebro.

A pesquisa descobriu que a performance cognitiva de homens que participaram do teste decaiu após aumentos na poluição do ar no mês anterior ao experimento. Curiosamente, a queda aconteceu mesmo com os aumentos ainda sendo abaixo dos limites de segurança impostos pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

<em>Imagem: Reprodução/Maxim Tolchinski/Unsplash</em>
Imagem: Reprodução/Maxim Tolchinski/Unsplash

Antes de buscar os resultados, os cientistas se sustentaram em evidências de que a exposição das pessoas às partículas finas no ar, principalmente as que são emitidas por veículos rodoviários e da indústria, não são prejudiciais apenas aos pulmões. Então, a pesquisa conseguiu comprovar que os tecidos neurais do cérebro, que são bastante delicados, também são danificados pela poluição, mesmo que em níveis baixos.

Cientistas da China e dos Estados Unidos analisaram um compilado de testes cognitivos de quase mil homens que habitavam a região metropolitana de Boston, todos brancos e idosos, com média de idade de 69 anos, comparando os níveis de poluição do ar quatro semanas antes da realização do experimento. Os testes avaliaram a memória para lembrar números e também para a fluência verbal.

O estudo mostrou que o impacto do ar tóxico na saúde respiratória e cardiovascular é uma evidência estável de que os danos ao cérebro estão aumentando, uma vez que outros estudos já relacionaram a poluição do ar com a demência e a redução de inteligência. Andrea Baccarelli, autor sênior do estudo e professor de ciências da saúde ambiental na Universidade de Columbia, em Nova York, confirma a relação entre o funcionamento do cérebro em envelhecimento com a poluição do ar.

<em>Imagem: Reprodução/twenty20photos/envato</em>
Imagem: Reprodução/twenty20photos/envato

"Esses efeitos em curto prazo são reversíveis: quando a poluição do ar é limpa, nosso cérebro reinicia e começa a trabalhar de volta em seu nível original. No entanto, múltiplas ocorrências de altas exposições [ao ar poluído] podem provocar dano permanente", conta o cientista.

O estudo revelou ainda que homens que faziam o uso de anti-inflamatórios como Aspirina foram os menos afetados pela poluição. Mas Baccarelli diz não recomendar o uso dessas drogas como prevenção, mas sim uma alimentação saudável, rica em vegetais e fibras, e a prática regular de exercícios físicos.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: