Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    13.299,26
    -12,87 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Polícia encontra R$ 8 milhões em gaveta de empresário investigado

Lucas Carvalho
·2 minutos de leitura
Mais de R$ 8 milhões foram encontrados na gaveta do sócio de uma rede de farmácias em SP. (Imagem: Receita Federal)
Mais de R$ 8 milhões foram encontrados na gaveta do sócio de uma rede de farmácias em SP. (Imagem: Receita Federal)

O Ministério Público de São Paulo, a Receita Federal e Secretaria Estadual da Fazenda deflagraram nesta quinta-feira (1) a 2ª fase da Operação Monte Cristo, que investiga um suposto esquema de sonegação fiscal e lavagem de dinheiro envolvendo empresas do setor de saúde.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Na casa de um dos investigados, dono de uma rede de farmácias que não teve o nome divulgado, a polícia encontrou R$ 8 milhões em dinheiro vivo guardados na gaveta de um armário. Embora não seja crime, a prática é comum em esquemas de lavagem de dinheiro e sonegação de impostos.

Leia também

O esquema usava empresas de fachada que deveriam ser responsáveis por pagar o ICMS no transporte de medicamentos entre Goiás e São Paulo. O pagamento não era realizado e as empresas, por não existirem em muitos casos, não eram encontradas para a cobrança. O esquema teria causado prejuízo de R$ 10 bilhões aos cofres públicos só em impostos não recolhidos.

Os alvos são as distribuidoras de medicamentos Medicamental, Navarro, Dismed, TFarma e Divamed, as redes varejistas Bifarma e Campeã, e a associação de distribuidores Abradilan. A investigação começou há três anos, quando foram firmados acordo de delação premiada com alguns dos investigados

Na época, as investigações renderam, além de mais informações sobre o suposto esquema, confissões e pagamentos de aproximadamente R$ 340 milhões em impostos atrasados.

Nesta quinta, foram cumpridos 88 mandados de busca e apreensão em empresas e na residência de pessoas ligadas aos esquema na capital paulista, em cidades da Grande São Paulo e no interior do estado, nas regiões de Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Marília, Piracicaba e Campinas. Também foram cumpridos mandados de busca e apreensão em Goiás e Minas Gerais.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube