Mercado fechado

Polícia chilena suspende uso de balas de borracha

Balas de borracha eram compostas por elementos mais rígidos, fazendo com que fosse semelhante a uma roda de skate. (Foto: Bruno Kaiuca/Zimel Press/Folhapress)

Depois de ultrapassarem a casa das duas centenas os manifestantes com lesões oculares graves nos protestos que tomam as ruas do Chile há um mês, a polícia anunciou nesta terça-feira (19) que suspendeu o uso de balas de borracha como ferramenta para desmobilizar os ativistas.

Estudo da Universidade do Chile, que analisou munição encontrada com manifestantes feridos, mostrou que as balas não são feitas apenas de borracha, como afirma a polícia. Elas têm 20% do material, e o resto é uma mistura de sílica, sulfato de bário e chumbo. Segundo o relatório, é tão duro quanto a roda de um skate.

Leia também

De acordo com o diretor-geral dos Carabineros (como é chamada a polícia local), Mario Rozas, também será feita uma auditoria interna porque foram constatadas "discrepâncias" em relação à informação divulgada pelo fabricante que vende à polícia.

A nova orientação da corporação, a partir de agora, é tratar as balas de borracha como munição letal, "uma medida extrema e exclusivamente para legítima defesa quando há perigo iminente de morte".

No domingo (17), o presidente Sebastián Piñera disse que não haverá impunidade para as forças de segurança que violaram os direitos do manifestantes durante os atos, que já deixaram 22 mortos.

Também estão sendo investigados pelo menos mil casos de abusos, incluindo tortura e violência sexual, por parte da polícia e das Forças Armadas.

Chile: entenda a delicada situação um mês depois do início dos protestos

Greve geral e protestos em massa sacodem o Chile

"Em alguns casos, protocolos não foram seguidos, e houve uso excessivo de força, abusos e crimes", disse o presidente num pronunciamento transmitido pela televisão.

Os protestos no Chile começaram depois de uma alta na tarifa do metrô de Santiago --que já foi revogada-- e passaram a incluir pautas mais amplas, como a melhoria no acesso à saúde e à educação, que consomem boa parte da renda dos chilenos.

O sistema previdenciário é outro ponto nevrálgico, muito criticado pelos baixos vencimentos e pagamentos atrasados. Segundo a Fundação Sol, entidade que estuda e divulga dados relacionados a trabalho no Chile, 94% das chilenas aposentadas recebiam menos de 155 mil pesos chilenos (R$ 840) em 2016. Entre os homens, a taxa era de 87,5%.

Hoje, o salário mínimo é de aproximadamente 300 mil pesos chilenos (R$ 1.625).

Após o início dos protestos, Piñera anunciou aumento de 20% nas pensões.

Os atos do último mês registraram a maior manifestação de rua da história do país: no dia 25 de outubro, 1,2 milhão de pessoas se reuniram nos arredores na praça Itália, na capital Santiago.

Em resposta às manifestações, o Chile vai realizar um plebiscito para perguntar à população se o país deve elaborar uma nova Constituição, que substitua a Carta da época da ditadura de Augusto Pinochet atualmente em vigor.

A realização da consulta, marcada para abril de 2020, foi aprovada pelo Congresso após governo e oposição chegarem a um acordo, que demandou horas de negociações intensas.