Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.397,72
    -1.401,93 (-3,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Após polêmica do leite condensado, Portal da Transparência do governo sai do ar

·1 minuto de leitura
Lista de compras do governo federal foi alvo de críticas durante toda a terça-feira (26) - Foto: AP Photo/Eraldo Peres
Lista de compras do governo federal foi alvo de críticas durante toda a terça-feira (26) - Foto: AP Photo/Eraldo Peres

Depois da polêmica envolvendo a lista bilionária de compras da gestão de Jair Bolsonaro (sem partido), o Portal da Transparência do governo federal saiu do ar na noite desta terça-feira (26). De acordo com o apurado pelo portal Metrópoles, órgãos do executivo pagaram R$1,8 bilhão em alimentos.

Alguns valores repercutiram durante todo o dia entre os opositores de Bolsonaro. Em especial, o gasto de mais de R$ 15 milhões em leite condensado, chegou a ficar horas entre os assuntos mais comentados no Twitter.

Leia também

Destacou-se o valor “absurdo” da unidade da lata do produto: R$ 162 reais cada uma. O valor de R$ 15 milhões equivale a 7.200 latas por dia.

Até às 7h300 desta quarta-feira (27), o portal ainda estava fora do ar. O governo ainda não se posicionou oficialmente sobre o assunto.

PSOL aciona PGR

O deputado David Miranda (PSOL-RJ) protocolou uma ação pedindo que o procurador-geral da República, Augusto Aras, investigue o gasto de R$ 1,8 bilhão do governo federal em alimentos e bebidas no ano de 2020, um aumento de 20% em relação a 2019.

O parlamentar solicita que o órgão apure os fatos e responsabilize o presidente Jair Bolsonaro. Também assinam o documento as deputadas Sâmia Bomfim (PSOL-SP), Fernanda Melchionna (PSOL-RS) e Vivi Reis (PSOL-PA).

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) ameaçou entrar na Justiça para cobrar explicações sobre os “gastos absurdos”.

"Entrarei na justiça para pedir explicações sobre os gastos absurdos do Bolsonaro! Mais de R$ 15 milhões em Leite Condensado e Chiclete com dinheiro público? Isso é corrupção!", escreveu em uma rede social.