Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.392,74
    -314,97 (-0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Polônia não se curvará à "chantagem" da UE, mas vai buscar resolver disputas, diz premiê

·2 min de leitura
Premiê polonês, Mateusz Morawiecki, discursa durante um debate sobre a Polônia desafiar à supremacia legal da União Europeia (UE), em Estrasburgo, na França

Por Jan Strupczewski e Benoit Van Overstraeten

BRUXELAS (Reuters) - A Polônia não se curvará à "chantagem" da União Europeia, mas buscará resolver as disputas em curso, disse o primeiro-ministro Mateusz Morawiecki, nesta quinta-feira ao chegar para defender seu país antes de uma reunião de outros líderes em meio a uma escalada acentuada de batalhas ideológicas.

As tensões de longa data entre os nacionalistas governantes da Polônia e a maioria liberal do bloco aumentaram drasticamente desde que o Tribunal Constitucional da Polônia decidiu, em 7 de outubro, que elementos legais da União Europeia (UE) eram incompatíveis com o estatuto do país.

Ao desafiar um princípio central de integração da UE, o caso cria o risco de desencadear uma nova crise no bloco --que ainda luta com as sequelas do Brexit-- bem como de a Polônia perder generosas doações da Europa.

"Algumas instituições europeias assumem o direito de decidir sobre assuntos que não foram atribuídos a elas", disse Morawiecki antes dos líderes nacionais dos 27 países-membros do bloco se reunirem em Bruxelas para uma reunião de dois dias.

"Não vamos agir sob a pressão da chantagem, estamos prontos para o diálogo, não concordamos com as competências cada vez maiores (das instituições da UE), mas é claro que vamos negociar como resolver as disputas atuais no diálogo."

O ministro das Relações Exteriores da França, Clement Baune, disse que "o projeto europeu não existe mais" se as regras comuns deixarem de vigorar.

"Se o diálogo não funcionar, podemos recorrer a vários tipos de sanções", afirmou ele antes da cúpula, quando o presidente da França, Emmanuel Macron, disse a Morawiecki para trabalhar com a Comissão Executiva para encontrar uma solução compatível com os princípios europeus.

(Reportagem adicional de John Chalmers, Gabriela Baczynska, Philip Blenkinsop, Michel Rose, Andreas Rinke, Sabine Siebold)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos