Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,13
    -0,53 (-0,64%)
     
  • OURO

    1.798,00
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    58.551,68
    -1.902,11 (-3,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.406,02
    -68,31 (-4,63%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.617,75
    +30,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4242
    -0,0005 (-0,01%)
     

Polônia deve mudar definição de estupro e parar de restringir mídia, diz Europa

·1 minuto de leitura
Primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki

Por Gabriela Baczynska

BRUXELAS (Reuters) - A Polônia precisa mudar sua definição legal de estupro para proteger as mulheres e parar de restringir a mídia, disseram instituições europeias nesta quinta-feira, as contestações mais recentes aos nacionalistas do governo polonês nos campos dos direitos humanos e da democracia.

Sob a batuta do partido Lei e Justiça (PiS) eurocético e socialmente conservador, a Polônia confronta a União Europeia em temas que vão do tratamento de imigrantes à independência dos juízes.

Apesar dos protestos, o PiS endureceu leis antiaborto já restritivas, na prática adotando uma proibição da interrupção da gravidez.

O Conselho da Europa (CoE), a agência reguladora de direitos humanos do continente, disse que Varsóvia deveria aumentar os esforços para combater a violência sexual e mudar sua definição de estupro de ato realizado à força para um que cubra todo o sexo não-consensual.

O conselho está analisando como os países europeus implantam a Convenção de Istambul de 2014 para o combater a violência contra as mulheres. Dos 17 integrantes já analisados, só Bélgica, Malta e Suécia penalizam a violência sexual com base somente na falta de consentimento.

Separadamente, o Parlamento Europeu deu 502 votos a favor e 149 contra uma resolução que expressa preocupação com as liberdades midiáticas na Polônia e repudia um esboço de lei que visa o canal de notícias TVN da rede norte-americana Discovery, que é crítico do governo.

A resolução sem poder legal ainda lamenta a erosão da independência judicial, o uso do litígio para silenciar críticos e tentativas de impedir aulas de educação sexual.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos