Mercado fechará em 3 hs
  • BOVESPA

    122.033,82
    +153,00 (+0,13%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.284,58
    +65,32 (+0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,37
    +1,00 (+1,53%)
     
  • OURO

    1.868,20
    +30,10 (+1,64%)
     
  • BTC-USD

    42.690,20
    -4.678,71 (-9,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.178,98
    -18,94 (-1,58%)
     
  • S&P500

    4.153,16
    -20,69 (-0,50%)
     
  • DOW JONES

    34.285,02
    -97,11 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.256,25
    -130,75 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3974
    -0,0066 (-0,10%)
     

Políticas comerciais podem ajudar contra a crise climática, afirma EUA

·1 minuto de leitura
A representante de Comércio dos EUA, Katherine Tai, disse que a política comercial deve garantir cadeias de abastecimento globais de tecnologias essenciais para combater as mudanças climáticas, incluindo baterias para carros elétricos

As regras do comércio global podem e devem ajudar a combater a crise climática, disse a representante do Comércio dos EUA, Katherine Tai, nesta quinta-feira (15), a poucos dias de uma cúpula virtual sobre o clima organizada pelo presidente Joe Biden.

“A opinião de que as questões ambientais não são parte integrante do comércio não leva em consideração o fato de que as regras existentes da globalização incitam uma pressão descendente sobre a proteção ambiental”, comentou em discurso durante conferência organizada pelo instituto de análise Center for American Progress.

“No futuro, o comércio terá um papel a cumprir”, enfatizou.

Tai destacou a disposição de seu país de trabalhar com seus parceiros comerciais para "mitigar as pressões climáticas" e proteger o planeta.

Em particular, citou duas "questões práticas": acabar com a extração ilegal de madeira e lutar contra a pesca excessiva que destrói o ecossistema marinho.

“O desenvolvimento de tecnologias, bens e serviços ambientais inovadores e o desenvolvimento de cadeias de abastecimento internacionais estratégicas para o comércio serão essenciais”, acrescentou.

Da energia limpa a veículos de baixa emissão e outras tecnologias, “o acesso confiável a esses bens e serviços será essencial para nossa transição para emissões zero até 2050”, resumiu.

Dt/jul/els/mr/yo/ap/mvv