Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.785,50
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.521,90
    -3.132,32 (-5,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Política de privacidade da Apple teria custado R$ 55 bilhões para mídias sociais

·3 min de leitura

Uma investigação conduzida pelo jornal Financial Times revelou que Snapchat, Facebook, Twitter e YouTube perderam cerca de US$ 9,85 bilhões (quase R$ 55 milhões) em receita após as mudanças da Apple em suas políticas de privacidade do iOS 14.5.

Esse rombo teria como causa a chamada App Tracking Transparency (ATT), que exige consentimento formal do usuário para o rastreamento dos dados dos usuários por aplicativos. Essa política começou a vigorar em abril deste ano e passou a impactar na forma como os apps exibem propaganda direcionada e anúncios sob medida, no caso das redes sociais.

Os apps precisam da permissão do usuário para coletarem dados pessoais, como localização e atividades recentes (Imagem: Divulgação/Apple)
Os apps precisam da permissão do usuário para coletarem dados pessoais, como localização e atividades recentes (Imagem: Divulgação/Apple)

O Facebook/Meta foi um dos maiores críticos à mudança na época e o relatório do jornal comprova o temor dos executivos, afinal a empresa amargou o maior prejuízo absoluto dentre as analisadas. A perda só não foi maior porque a plataforma conseguiu manter as propagandas para Android e Desktop ativas.

Em termos relativos, a Snap foi a companhia mais impactada, pois teve um desempenho percentualmente pior que os demais, provavelmente em razão de a sua receita provir quase exclusivamente dos anúncios para telefones celulares. Embora tenha se tornado mais popular no Android do que no iOS, foi no sistema da Apple que a rede despontou para o mundo e angariou uma imensa base de fãs.

Baque na receita

Essas perdas eram esperadas porque nenhuma empresa de anúncios estava preparada para essa mudança repentina da fabricante do iPhone. Em razão disso, o algoritmo de entrega de publicidade de muitos apps está em fase de ajustes para tentar explorar os dados disponíveis de maneira mais inteligente e menos invasiva.

Ainda não está muito claro como as companhias devem lidar com isso, mas é bem provável que os balanços financeiros anuais acusem o golpe. Pode ser que elas optem por focar esforços no Android, mas o Google também já deu indícios de que pode fechar o cerco à coleta invasiva de dados, então isso seria apenas um paliativo.

A própria Apple precisou se adaptar ao novo modelo no iOS 15 (Imagem: Reprodução/9to5Mac)
A própria Apple precisou se adaptar ao novo modelo no iOS 15 (Imagem: Reprodução/9to5Mac)

Na semana passada, um relatório da MarketWatch havia apontado um resultado bem diferente deste, com impactos mais modestos no Facebook e YouTube do que a nova pesquisa revela. O mesmo teria ocorrido com o Twitter, que mal sentira os efeitos diretos da nova política da Apple sobre seus números — na verdade, segundo a companhia, houve crescimento de 41% em receita com publicidade, o que fez as ações da companhia decolarem.

Os números ainda podem piorar conforme o aumento na adesão às versões mais recentes do sistema operacional da Apple, afinal o recurso só chegou no iOS 14.5. Conforme haja a atualização de dispositivos, também é provável que o usuário passe a ter maior controle sobre o que as empresas podem ou não acessar sobre ele, o que é maravilhoso sobre a ótica pessoal, mas terrível para quem depende da publicidade online.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos