Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.590,12
    +568,11 (+2,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Polícia de São Francisco aprova uso de robôs "assassinos"

O Departamento de Polícia de São Francisco (SFPD, na sigla em inglês), nos Estados Unidos, aprovou o uso de robôs militares potencialmente letais, que teriam a capacidade de matar criminosos em operações de segurança pública com ameaças extremas.

Segundo representantes do Conselho de Supervisores da cidade, a medida permitirá que as autoridades utilizem esse tipo de armamento cibernético quando “o risco de perda de vidas para as pessoas da comunidade ou para os policiais que participam de uma ação for iminente”.

“Esses robôs podem ser potencialmente equipados com cargas explosivas para romper estruturas fortificadas, com a presença comprovada de pessoas violentas, armadas ou perigosas, colocando em risco a integridade física da população ou de seus defensores”, explicou um porta-voz da polícia em um comunicado à imprensa.

Situações de risco

No texto aprovado pelos conselheiros por oito votos a três, ficou definido que o uso dos “robôs assassinos” somente deverá ocorrer quando o risco superar qualquer outra opção de força, que possa interromper o crime por meio da intervenção de policiais ou outros agentes de segurança.

Além de situações como treinamento e simulações, busca e apreensão, execução de mandados e avaliação de dispositivos suspeitos — como bombas e outros artefatos —, esses bots agora também estão livres para matar pessoas, caso essa seja a última alternativa diante de uma ação criminosa.

A cláusula que impedia que essas máquinas atentassem contra a vida de seres humanos foi removida antes da votação pelo reitor do Conselho de Supervisores, Aaron Peskin, sob a alegação de que “poderia haver cenários em que o emprego de força letal fosse a única opção”.

Permissão para matar

Atualmente, o Departamento de Polícia de São Francisco conta com 17 robôs modelo Remotec F5A em seu arsenal, com apenas 12 deles em pleno funcionamento. Esses bots são controlados remotamente por operadores humanos e costumam ser usados para desarmar bombas ou investigar locais suspeitos.

Apesar da repercussão, São Francisco não é a primeira cidade dos Estados Unidos a autorizar o uso de robôs letais. Em 2016, a polícia de Dallas, no Texas, utilizou um bot armado com explosivo C-4 para matar um atirador que havia assassinado cinco policiais e ferido vários outros.

No início do ano, o Departamento de Polícia de Oakland, na Califórnia, também tentou aprovar um projeto que permitia que robôs do mesmo modelo Remotec F5A fossem equipados com espingardas e autorizados a usar força letal. No entanto, as autoridades decidiram abandonar essa ideia controversa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: