Mercado abrirá em 1 h 55 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,27
    +0,39 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.927,30
    -3,50 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    23.435,08
    -403,03 (-1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,04
    -10,27 (-1,88%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.840,66
    +20,50 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.657,50
    -189,25 (-1,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4986
    +0,0089 (+0,16%)
     

Polícia prende suspeito de sequestro de casal que teve que entregar fortuna em bitcoins

Polícia Civil divulga resultado da Operação Crypto, contra suspeitos de organização criminosa que roubaram bitcoins de empresário alemão após sequestro
Polícia Civil divulga resultado da Operação Crypto, contra suspeitos de organização criminosa que roubaram bitcoins de empresário alemão após sequestro

A Polícia Civil de Goiás liberou informações a público sobre a Operação Crypto, deflagrada no dia 17 de dezembro de 2022. O caso apura a ação de uma organização criminosa que roubou 555 bitcoins de um idoso alemão, mediante sequestro dele e de sua esposa.

A ação criminosa ocorreu no município de Anápolis, interior de Goiás, em setembro de 2020. Ao chegar do supermercado e guardar o carro na garagem da residência, a esposa de um empresário alemão foi abordada por dois homens que pularam o muro e logo lhe renderam com graves ameaças.

Ao entrar na residência, os criminosos renderam o empresário alemão, com uso de violência. Logo, um terceiro criminoso entrou na casa em um veículo, encaminhando o casal a um matagal no meio da noite.

Sob graves ameaças, eles tiveram que liberar todos os bitcoins que detinham, sendo abandonados no meio do mato. Após a denúncia do caso, a polícia civil começou a investigar o caso, inclusive com análise de dados em blockchain.

Operação Crypto mirou organização que sequestrou idoso para roubar bitcoins
Operação Crypto mirou organização que sequestrou idoso para roubar bitcoins

Operação Crypto deve concluir inquérito em breve sobre roubo de 555 bitcoins mediante sequestro

Deflagrada uma operação nos últimos dias, o caso ganhou repercussão no Fantástico no último domingo (25), após uma matéria divulgar o episódio.

De acordo com informações da própria Polícia Civil de Goiás, os alvos da Operação Crypto eram 13 pessoas suspeitas. Contra eles, a justiça expediu 16 mandados de busca e apreensão, todos cumpridos nos últimos dias.

Durante o cumprimento das buscas, um suspeito foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo. A operação ocorreu simultaneamente nos Estados de Goiás, Tocantins e São Paulo.

Conforme a investigação, a organização criminosa contava com dois núcleos de atuação, em São Paulo e Goiás. No estado paulista, estavam os responsáveis pela ideia do crime, que planejaram a ação nos mínimos detalhes.

Já em Goiás, os criminosos que agiram contra as vítimas aguardavam as instruções. Segundo os investigadores, todos os criminosos já estão identificados.

Prejuízo de R$ 62 milhões

Para o Poder Judiciário, a Polícia Civil de Goiás representou os mandados cautelares, já cumpridos contra os suspeitos.

O prejuízo segue estimado em R$ 61.913.025,00, do qual bens dos criminosos foram buscados durante a ação. Atualmente, 1,2 milhão em Real já estão recuperados, assim como o bloqueio de 22 veículos, sequestro 33 imóveis, apreensão de 2 veículos, joias e relógios de luxo e mais aparelhos eletrônicos. Os valores devem ir para as vítimas no futuro.

Veículo apreendido durante Operação Crypto, em dezembro de 2022
Veículo apreendido durante Operação Crypto, em dezembro de 2022

A expectativa é que em até 30 dias o inquérito policial esteja concluído para que a justiça tenha todas as informações em mãos.

Por fim, caso os suspeitos sejam condenados, podem pegar penas que chegam a 30 anos de prisão, pelos crimes de lavagem de dinheiro e organização criminosa, além de extorsão qualificada.

Fonte: Livecoins

Veja mais notícias sobre Bitcoin. Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.