Mercado abrirá em 1 h 38 min
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,56
    -1,41 (-1,96%)
     
  • OURO

    1.756,70
    +5,30 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    44.389,03
    -3.457,61 (-7,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.102,03
    -123,50 (-10,08%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.848,78
    -114,86 (-1,65%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.159,75
    -166,25 (-1,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1852
    -0,0142 (-0,23%)
     

Polícia prende ex-gerente de banco acusado de desviar R$ 8 milhões da conta de cliente morto

·1 minuto de leitura

RIO - Policiais da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) prenderam nesta quinta-feira, dia 5, o ex-gerente de banco Rafael de Souza Ferreira. Ele é acusado de, ao lado de dois colegas, montar uma organização financeira para realizarem fraudes bancárias. Em apenas um caso, segundo a polícia, a quadrilha desviou R$ 8 milhões da conta de um cliente que já havia morrido.

Contra Rafael, havia um mandado de prisão preventiva expedido pela 27ª Vara Criminal da Capital. De acordo com as investigações, Rafael e os dois outros gerentes, ao tomarem conhecimento da morte do cliente, simularam o resgate do seu fundo de previdência. Os valores foram transferidos para as contas pessoais de seus cônjuges, usando cheques administrativos.

O sistema de segurança do banco, que não teve o nome divulgado, detectou a fraude. A DRF foi acionada e começou a investigar o caso. Ao saber que a fraude havia sido identificada, Rafael, de acordo com a polícia, foi à casa da viúva do cliente, uma idosa, tentando convencê-la a assinar um documento declarando que o homem tinha o desejo de doar o dinheiro aos gerentes do banco. Como a idosa e seu advogado não aceitaram, passaram a ser ameaçados — o que levou à abertura de um segundo inquérito pelo crime de coação no curso do processo.

Os demais envolvidos no crime foram denunciados pela prática do crime de furto duplamente qualificado, associação criminosa e lavagem de capitais, inclusive com pedido de sequestro de bens.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos