Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.293,75
    +508,56 (+0,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Polícia Federal prende controladora que aprovou plano de voo de desastre da Chapecoense

·2 minuto de leitura
Trabalho da equipe de resgate após a queda do avição da Chapecoense em novembro de 2016 (Foto: RAUL ARBOLEDA/AFP via Getty Images)
Trabalho da equipe de resgate após a queda do avição da Chapecoense em novembro de 2016 (Foto: RAUL ARBOLEDA/AFP via Getty Images)

A controladora de voo Celia Castedo Monasterio foi presa pela Polícia Federal em Corumbá, no Mato Grosso do Sul, cidade que faz fronteira com a Bolívia. Monasterio foi a responsável pela análise e aprovação do plano de voo da LaMia que caiu na Colômbia e deixou 71 mortos, entre eles membros da comitiva da Chapecoense que iam disputar a final da Copa Sul-Americana de 2016 contra o Atlético Nacional (COL). Apenas seis pessoas sobreviveram à tragédia.

De acordo com o portal GE, o Ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, assinou o pedido de prisão e extradição da controladora. Na sentença, o juiz diz que Monasterio é "procurada pela Justiça boliviana para responder pela suposta prática do crime de atentado contra a segurança do espaço aéreo".

Leia também:

Celia Castedo Monasterio vive no Brasil desde 2016 como refugiada. Ela morava em Corumbá, no Mato Grosso do Sul, e teve seu pedido de refúgio renovado dizendo que era perseguida pelo governo boliviano. Na Bolívia, ela é acusada de ter aprovado o plano de voo da LaMia de maneira fraudulenta, ignorando procedimentos mínimos.

A PF explicou que a controladora continuará em Corumbá até o fim de "trâmites legais" para que ela seja entregue às autoridades da Bolívia. Sua defesa afirma que "está tomando ciência sobre o pedido de extradição para saber qual medida tomar para garantir a permanência dela no Brasil". 

VOO LAMIA 2933

​Em 28 de novembro de 2016, o voo 2933 da companhia LaMia saindo do Aeroporto Internacional Viru Viru, na Bolívia, com destino ao Aeroporto José María Córdova, na Colômbia, caiu e deixou 71 mortos. O avião transportava a delegação da Chapecoense que iria enfrentar o Atlético Nacional (COL) pela final da Copa Sul-Americana, além de jornalistas e convidados.

Apenas 6 pessoas sobreviveram à queda que aconteceu na Colômbia. Entre elas, os atletas Alan Ruschel, Jakson Follman e Neto, o jornalista Rafael Henzel, a comissária de bordo Ximena Suárez e o técnico de voo Erwin Tumiri. 

A controladora de voo Celia Castedo Monasterio aprovou o plano descrito pelo piloto da aeronave, onde mostrava que o avião não tinha combustível para uma situação de emergência. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos