Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.065,07
    +2.768,89 (+2,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.881,64
    -8,02 (-0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,54
    -0,22 (-0,26%)
     
  • OURO

    1.807,70
    +11,40 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    62.936,43
    +2.614,29 (+4,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.506,45
    +1.263,77 (+520,76%)
     
  • S&P500

    4.565,49
    +20,59 (+0,45%)
     
  • DOW JONES

    35.731,69
    +54,67 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.222,82
    +18,27 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.512,00
    +171,00 (+1,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4365
    -0,1443 (-2,19%)
     

Polícia Federal investiga fraudes no fundo Postalis

·2 minuto de leitura

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (17) a Operação Amigo Germânico. É para investigar “crimes de lavagem de dinheiro, organização criminosa, crimes contra o sistema financeiro nacional e corrupção” supostamente cometidos contra o Instituto de Previdência Complementar, fundo de pensão dos Correios (Postalis).

Cerca de 44 policiais federais cumprem 19 mandados de busca e apreensão pela Justiça Federal no Distrito Federal, Paraná e em São Paulo. Por determinação da justiça, foram bloqueados R$ 16 milhões dos investigados. O valor corresponde ao limite estimado de prejuízos causados ao Postalis.

“As investigações, em parceria com o Ministério Público Federal, apontam que foram criados quatro fundos de investimentos em direitos creditórios não padronizados – Fidc NP e, em seguida, diversos ativos do Postalis foram reprecificados em valor diferente de zero, quando deveriam ter sido reavaliados a valor zero”, informou, em nota a Polícia Federal.

Segundo os investigadores, os prejuízos foram “previamente admitidos pelos alvos investigados”. A situação acabou por agravar o cenário já deficitário do instituto. “Os alvos respaldaram seus atos em pareceres jurídicos elaborados por pessoas que possuíam interesse direto na indicação das empresas que, posteriormente, seriam escolhidas como gestora e administradora dos recursos dos Fidc NP”, informou a PF.

Taxas de comissão

Empresas indicadas para a administração dos fundos de investimento teriam direcionado taxas de comissão com o propósito de dividir esses valores entre os responsáveis pela indicação, que, segundo a PF, também atuavam no aconselhamento técnico-jurídico do Postalis.

“Além disso, por meio de transações dissimuladas, também foram direcionadas vantagens indevidas a gestores da entidade de previdência complementar dos Correios”, completa a nota.

Se condenados, os envolvidos poderão responder pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira e corrupção passiva e ativa. As penas podem chegar a 42 anos de reclusão.

Correios

Em nota, os Correios dizem que mantêm "estreita parceria com os órgãos de controle das instituições públicas, tendo inclusive firmado um Acordo de Cooperação Técnica com a Polícia Federal em dezembro de 2019". "Pelos termos do Acordo: as instituições colaboram entre si para a coordenação e/ou execução de ações integradas destinadas à prevenção e à repressão de ilícitos", acrescentou a empresa.

"Paralelo a isso, a empresa tem adotado padrões rígidos de integridade e governança, que se estendem às suas subsidiárias, visando a assegurar a transparência dos negócios e a gestão ética do patrimônio público. A empresa não foi informada da operação e segue apoiando integralmente as autoridades com informações e dados que as auxiliem a esclarecer as causas dos prejuízos a seus empregados e ao bem público", destacaram os Correios.

Matéria alterada às 13h para acréscimo de posicionamento dos Correios.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos