Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,02
    -0,13 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.814,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    39.819,61
    +1.520,09 (+3,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    977,06
    +50,30 (+5,43%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.081,50
    +8,00 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1183
    -0,0472 (-0,77%)
     

Polícia Federal investe em novo sistema para aprimorar reconhecimento facial

·2 minuto de leitura

A Polícia Federal (PF) assinou na última segunda-feira (5) um contrato para a criação do projeto Abis (Solução Automatizada de Identificação Biométrica), que irá coletar e armazenar dados biométricos de cidadãos brasileiros. A parceria confirmada pelo diretor da instituição, Paulo Maiurino, prevê a aquisição de novas ferramentas tecnológicas que vão permitir a implementação da iniciativa.

Segundo a PF, o novo sistema deve entrar em operação com um banco de dados formado por 22 milhões de cadastros pré-existentes. As informações serão movidas da rede atualmente em operação, a Afis (Sistema Automatizado de Identificação de Impressões Digitais), usada há 16 anos e que se tornou uma referência mundial na identificação de digitais em cenas de crimes e busca de pessoas desaparecidas.

Imagem: Divulgação/Fernando Frazão/Agência Brasil
Imagem: Divulgação/Fernando Frazão/Agência Brasil

A promessa da corporação é que a transição para o sistema Abis possa realizar com exatidão o cruzamento de dados, consultas de impressão digitais e o reconhecimento facial de pessoas. Inicialmente, deve ter a capacidade de armazenar até 50,2 milhões de cadastros — o que poderá ser feito em 48 meses —, com plano de ampliação para conteúdo de 200 milhões de brasileiros.

Tecnologia gera controvérsia ao redor do mundo

Junto ao novo sistema, a Polícia Federal também vai investir na atualização dos equipamentos para o cadastro de dados biométricos e coleta de amostras forenses ou que sejam de interesse para investigações. Segundo a corporação, o Abis era um projeto antigo, que só se tornou possível após o fim de pendências junto ao Tribunal de Contas da União.

O anúncio surge em um momento no qual sistemas de reconhecimento facial têm sua aplicação questionada no mundo. A União Europeia, por exemplo, propõe que essa tecnologia seja totalmente banida de espaços públicos, já que pode comprometer o direito das pessoas ao anonimato.

Em janeiro de 2021, a Anistia Internacional lançou uma iniciativa semelhante, que visa limitar a maneira como forças policiais podem usar a tecnologia. A organização não governamental afirma que a população deve ser capaz de viver sem ser rastreada, pois sistemas com essa abordagem podem resultar na violação de direitos fundamentais e embasar uma série de ações consideradas abusivas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos