Mercado fechará em 5 h 56 min
  • BOVESPA

    121.768,06
    +1.062,16 (+0,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.228,82
    +399,51 (+0,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,15
    +1,33 (+2,08%)
     
  • OURO

    1.840,30
    +16,30 (+0,89%)
     
  • BTC-USD

    50.776,65
    +266,27 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.414,21
    +55,65 (+4,10%)
     
  • S&P500

    4.156,23
    +43,73 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    34.331,31
    +309,86 (+0,91%)
     
  • FTSE

    7.025,14
    +61,81 (+0,89%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.250,25
    +150,00 (+1,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3864
    -0,0261 (-0,41%)
     

Polícia Federal deflagra 4 operações contra fraudes no auxílio emergencial neste mês

MARCELO ROCHA
·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal realizou, nesta quarta-feira (18), duas operações contra fraudadores do auxílio emergencial, o valor de R$ 600 mensais pago pelo governo federal em razão da crise econômica decorrente da pandemia do coronavírus. Com as duas ações desta quarta, uma no Distrito Federal e outra na Bahia, a PF contabiliza nas últimas três semanas quatro operações contra grupos que conseguiram sacar o benefício mediante fraude. No período, houve ações também em São Paulo, Rio de Janeiro e Tocantins. Em outubro, foram pelo menos outras cinco. A polícia ainda não consolidou o valor desviado em todos esses casos. De acordo com as investigações, conduzidas nas superintendências regionais da corporação, o crime tem semelhanças nos diferentes casos: golpistas usavam o nome de terceiros para abrir contas bancárias e solicitar o auxílio emergencial. Assim atuavam os alvos da Operação Resiliência, deflagrada nesta quarta no Distrito Federal. Foram expedidos 14 mandados de busca e apreensão, cumpridos por policiais federais e civis em duas cidades distantes cerca de 20 quilômetros do centro de Brasília. Os agentes recolheram cartões bancários, listas com CPFs, chips de celular, telefones e notebooks, material encaminhado para a perícia. Os suspeitos são investigados também por outras fraudes bancárias, como desvios do FGTS e do INSS. Cinco pessoas foram presas em flagrante, duas por tráfico de drogas e três por posse ilegal de arma de fogo. Na casa de um dos investigados, a PF apreendeu carros de luxo. Na Bahia, o alvo foi um soldado do Exército, suspeito de utilizar informações de pessoas com direito a receber o auxílio emergencial e, sem o seu conhecimento, realizar o cadastro para recebimento da renda mínima paga pelo governo. Em seguida, o investigado transferia os valores para sua própria conta, por meio de boletos bancários. Nos dados analisados, referentes a apenas uma semana, verificou-se que o militar cadastrou pelo menos 13 contas de forma fraudulenta, resultando num desvio de mais de R$ 10 mil. Os investigadores estimam que a fraude seja muito maior, na medida em que os dados se referem a um curto período analisado, e também apenas aos casos em que as vítimas formalizaram a contestação junto à Caixa Econômica Federal. O mandado de busca visava a apreensão de documentos, computadores, celulares e quaisquer outras provas que reforcem as suspeitas. Além da busca, segundo a PF, foram determinadas também a quebra do sigilo bancário do investigado e o bloqueio de valores depositados em sua conta. Os investigadores estimam que a fraude seja muito maior, na medida em que os dados se referem a um curto período analisado, e também apenas aos casos em que as vítimas formalizaram a contestação junto à Caixa Econômica Federal. Comprovadas as fraudes, os golpistas podem responder a crimes como estelionato, furto e, a depender do caso, organização criminosa, resultando em penas que podem chegar a oito anos de prisão. No mês de julho, em razão do grande número de comunicações de irregularidades, a Caixa e o Ministério da Cidadania definiram uma estratégia para a identificação e responsabilização penal de fraudadores do auxílio emergencial. A Caixa ficou encarregada de remeter informações à PF sobre situações suspeitas para integrar a Base Nacional de Fraudes ao Auxílio Emergencial, criada pela polícia para auxiliar nas investigações de grupos criminosos.