Mercado fechado

Polícia espanhola desmantela quadrilha de IPTV com mais de 2 milhões de usuários

Felipe Ribeiro

Muito comuns hoje em dia, as IPTVs (método de transmissão de sinais televisivos através de redes IP) são uma válvula de escape para muitas pessoas que não conseguem assinar um serviço de TV a cabo. O problema, porém, que é a pirataria é algo mais do que natural dentro desse segmento. Agora, uma quadrilha que explorava as IPTVs acaba de ser escancarada pela Polícia Nacional Espanhola. A corporação, em ação conjunta com outros países, desmantelou um grupo que disponibilizava mais de 40 mil canais por assinatura de maneira clandestina para mais de dois milhões de assinantes.

Com a ajuda da Europol e departamentos de polícia de vários países europeus como Bélgica, República Tcheca, Dinamarca, França, Itália, Alemanha, Luxemburgo, Holanda, Polônia, Romênia, Suécia, Reino Unido, 11 suspeitos foram presos. As autoridades também confiscaram propriedades no valor de quase € 5 milhões, enquanto € 1,1 milhão em ativos bancários foram congelados. Os lucros da quadrilha são estimados em € 15 milhões. Estados Unidos e Canadá, que também tinham assinantes desse serviço, também contribuíram nas investigações.

“Mais de 2 milhões de assinantes estavam recebendo esses serviços ilegais, totalizando os lucros da rede criminosa em cerca de 15 milhões de euros. A investigação focou em desligar os servidores e desconectar os endereços IP e obter informações relevantes para efetivamente desmantelar o grupo criminoso", disse a Europol, em comunicado.

Com muitos serviços de IPTV usando nomes semelhantes, as investigações e informações podem soar confusas, mas, ao que tudo indica, o centro de tudo é um grupo chamado Rapid IPTV, que teve três pessoas participantes presas na Dinamarca dentro dessa operação.

Outra prova desse envolvimento majoritário é que vários servidores da Rapid IPTV foram realmente desligados há uma semana, quando as incursões policiais foram realizadas (imagem abaixo). No total, 50 endereços de IP foram derrubados e pessoas também foram presas na Suécia e Alemanha - além da Espanha.

Imagem: TorrentFreak

Apesar dessa operação, o TorrentFreak informa que o IPTV Community segue online, mesmo depois de ter alguns dias de instabilidade, com alguns servidores desconectados e instáveis, ou seja, é possível que ainda existam mais membros dessa quadrilha à solta.

Fonte: Canaltech