Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    55.018,02
    +403,86 (+0,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Polícia e Defesa Civil fazem vistoria em imóveis em rua de Nilópolis onde prédio desabou

·1 min de leitura

Agentes da 57ª DP vão realizar nesta segunda-feira uma perícia complementar de engenharia nos escombros do prédio que desabou na manhã de domingo na Rua Coronel José Muniz 808, no bairro Olinda, em Nilópolis, na Baixada Fluminense.

Gustavo Loureiro Amorim, de 26 anos, morreu no desabamento. Três outras pessoas ficaram feridas. Nirceia Souza, de 62 anos, Giovana Amorim, de 19, e Jorge Brandão, de 54, foram socorridos e levados para o Hospital Geral de Nova Iguaçu. Todos receberam alta na tarde de domingo.

Cinco pessoas já prestaram depoimento na 57ª DP. As vítimas Nirceia Souza e o marido dela, Jorge Brandão. Os outros três eram vizinhos da rua.

O laudo da perícia da polícia civil deve demorar, pelo menos, 30 dias para ser concluído. A Defesa Civil de Nilópolis está na rua realizando vistoria em outros imóveis da região.

Há três dias, moradores e vizinhos perceberam a exposição de uma das colunas da construção após uma fissura. Ao lado do prédio havia um estacionamento. Jorge acredita que algum carro bateu em uma das colunas, causando o problema. De acordo com uma vizinha, que preferiu não se identificar, eram perceptíveis os danos à estrutura do edifício. O receio, agora, é de que outras moradias possam estar ameaçadas:

— Alguns moradores do prédio e uma vizinha que estacionava o carro ali disseram que viam rachaduras lá.

Uma vizinha que preferiu não se identificar disse que um filho dela guardava o carro no estacionamento do prédio e pagava 120 reais por mês para a proprietária do imóvel. Segundo ela, havia aproximadamente 10 vagas para carros no estacionamento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos